Comportamento

Mais uma indiana da casta dalit morre após estupro coletivo

Mais uma indiana da casta dalit morre após estupro coletivo

Policiais de Uttar Pradesh vigiam a casa de adolescente morta após estupro coletivo - AFP

Uma segunda indiana pertencente à minoria dalit morreu, após ser vítima de um estupro coletivo – anunciou a polícia nesta quinta-feira (1o).

Recentemente, a morte de outra jovem dalit em condições semelhantes também indignou o país.

Este segundo caso é o de uma mulher de 22 anos estuprada por dois homens na terça-feira (29). Ela morreu a caminho do hospital em Uttar Pradesh, relatou a polícia neste estado do norte da Índia.

A comunidade Dalit, anteriormente chamada de “intocável”, está situada nos níveis mais baixos da escala social do rígido sistema de castas indiano.

Os dois suspeitos foram presos e acusados de estupro coletivo e homicídio, segundo a polícia, que não deu mais detalhes e apenas afirmou que os fatos estão sendo investigados. Os detidos podem ser julgados conforme um procedimento acelerado por um tribunal especial, acrescentou.

“Um motorista de riquixá [veículo de duas rodas] a trouxe para casa. Ela foi jogada na frente da nossa casa. Minha filha mal conseguia se levantar, ou falar”, desabafou a mãe da vítima, de acordo com a NDTV.

A agressão ocorreu no distrito de Balrampur, em Uttar Pradesh, a cerca de 500 quilômetros do local onde outra dalit, de 19 anos, foi estuprada em meados de setembro. Segundo sua família, ela foi atacada por quatro homens de uma casta “superior”.

Paralisada por causa dos ferimentos, ela foi transferida para um hospital de Nova Délhi, a 200 quilômetros de seu povoado. Não resistiu e faleceu na terça-feira. Ontem (30), a polícia indiana foi acusada de cremá-la à força, contra a vontade da família.

Sua morte gerou manifestações em Délhi e em várias cidades de Uttar Pradesh.

Esses novos casos de estupro coletivo acontecem após a execução de quatro homens, em 20 de março passado, pelo estupro e assassinato de uma estudante em um ônibus, em Délhi, em dezembro de 2012. Esse crime se tornou o símbolo do drama da violência sexual contra mulheres na Índia.

Os cerca de 200 milhões de dalits indianos sofrem, “tradicionalmente”, discriminação e agressões, que aumentaram durante a pandemia da covid-19, de acordo com seus defensores.

Em 2019, 87 estupros foram denunciados por dia, em média, na Índia. Os crimes contra as mulheres neste país de 1,3 bilhão de habitantes aumentaram mais de 7% em um ano, de acordo com dados oficiais divulgados terça-feira. Esses dados podem ser bem maiores, já que muitos casos não são relatados, alertam especialistas.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ Mulher sobe de salto alto montanha de 4 mil metros

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ Vídeo do TikTok com mulher sendo empurrada de ônibus viraliza; veja

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar