Mundo

Mais de 38.000 deslocados em cinco dias no noroeste da Síria

Mais de 38.000 deslocados em cinco dias no noroeste da Síria

Crianças sírias que fugiram do oeste da província de Alep em um acampamento improvisado instalado em ruínas perto de Atareb - AFP

Mais de 38.000 pessoas foram deslocadas em cinco dias no noroeste da Síria, em uma região atingida por ataques aéreos quase diários do regime e de seu aliado russo, segundo a ONU.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

“Entre 15 e 19 de janeiro, mais de 38.000 pessoas deslocadas partiram, principalmente do oeste de Aleppo” para outros territórios da província ou setores de Idlib, informou em comunicado o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha).

As Nações Unidas estão “profundamente preocupadas” com o aumento de deslocamentos no noroeste da Síria, “com informações quase diárias sobre ataques aéreos e disparos de artilharia na região”, disse à AFP David Swanson, porta-voz do Ocha.

Nos últimos dias, a aviação russa e do regime concentraram seus ataques no oeste da província de Aleppo, onde há jihadistas e rebeldes, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Dezenas de civis morreram em Aleppo e Idlib, acrescentou. A Rússia nega todas as “missões de combate”.

Desde o início de dezembro, 358.000 pessoas foram deslocadas no noroeste da Síria, principalmente mulheres e crianças, segundo a ONU.

O diretor da OSDH, Rami Abdel Rahman, considerou que a escalada poderia ser um prelúdio de uma ofensiva do regime, que busca assegurar a cidade de Aleppo, e a estrada que une a cidade à capital Damasco.

A província de Idlib e algumas áreas das regiões vizinhas de Aleppo, Hama e Lataquia estão sob o domínio dos jihadistas da Hayat Tahrir al Sham (HTS), ex-facção síria da rede Al-Qaeda. Outros grupos rebeldes também estão presentes.

A região de Idlib já foi palco de uma ofensiva em larga escala entre abril e agosto de 2019, que deixou cerca de mil civis mortos, segundo o OSDH.

O regime sírio, que agora controla mais de 70% do país, diz estar determinado a recuperar todo o setor.

O conflito na Síria, desencadeado em 2011, causou mais de 380.000 mortes e milhões de pessoas deslocadas.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea