Comportamento

Mais de 10 mil crianças trabalham em minas para extrair mica em Madagascar

Mais de 10 mil crianças trabalham em minas para extrair mica em Madagascar

(2016) Mina ilegal de safira em Madagascar - AFP/Arquivos

Mais de 10.000 crianças, algumas com apenas 5 anos, trabalham em minas em Madagascar para extrair mica, um mineral resistente ao calor usado na indústria eletrônica e automobilística, de acordo com uma investigação de duas ONGs.

Segundo as organizações Terre des Hommes e Centro de Pesquisa sobre Multinacionais, os menores representam metade da força de trabalho nas minas de mica da ilha.

Após um ano de investigações em 13 minas no sudeste de Madagascar, as duas organizações denunciaram em seu relatório as “duras condições de trabalho” dessas crianças.

Devido a seu tamanho, as crianças são usadas para cavar poços e túneis. Os mais jovens são empregados na classificação de placas minerais.

“Eles sofrem de dores nas costas, dores de cabeça, devido ao calor e à falta de água, e são constantemente feridos nas mãos e nos pés”, explica o relatório.

Além disso, muitos deles são expostos “a partículas de poeira de mica, que causam tosse e doenças pulmonares”.

As famílias dessas crianças as pressionam a trabalhar nas minas para obter mais renda.

Madagascar é considerado um dos países mais pobres do planeta. Três quartos dos seus 26 milhões de habitantes vivem com menos de 2 dólares por dia.

Segundo a investigação, o salário diário dos trabalhadores do setor varia entre 27 centavos e 3 euros, o que não é suficiente para uma refeição por dia.

Madagascar é o terceiro maior produtor de mica, um setor que gerou US$ 6,5 milhões em receita em 2017. Pelo menos 87% de sua produção vai para a China.