Mundo

Mais da metade dos hospitais de Beirute estão fora de uso

BEIRUTE, 12 AGO (ANSA) – A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou que Beirute, a capital do Líbano, tem mais da metade de seus centros hospitalares “fora de serviço” após as explosões registradas na área portuária no dia 4 de agosto. Os três maiores hospitais da cidade estão na lista.   

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

O diretor para Emergências Regionais do órgão, Richard Brennan, informou que o número foi verificado após uma inspeção da OMS nos 55 centros sanitários e clínicas de Beirute e destacou que, entre aqueles que não estão paralisados, vários estão funcionando com a capacidade reduzida de atendimento.   

Assim como ocorreu nos hospitais, conforme dados oficiais do governo da cidade, 601 edifícios históricos foram afetados em menor ou maior grau com as explosões, e 70 deles correm o risco de desabar.   

Oficialmente, o governo libanês fala em 171 mortos nas explosões, mas o governador de Beirute informou que seriam 220 mortos e 110 desaparecidos. Além disso, 300 mil pessoas ficaram desabrigadas.   

A principal suspeita para o incidente, ao menos do que causou a ampla destruição, foi o armazenamento incorreto de 2.750 toneladas de nitrato de amônio na área portuária. A revolta da população após as explosões foi tamanha que todo o governo de Beirute renunciou às suas funções. (ANSA).   

Veja também

+Cidadania divulga calendário de pagamentos da extensão do auxílio emergencial

+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea