Mundo

Maduro abre votação em colégio eleitoral no qual está inscrito

Maduro abre votação em colégio eleitoral no qual está inscrito

O presidente venezuelano Nicolás Maduro durante um comício em Caracas em 15 de maio - AFP/Arquivos

Candidato à reeleição, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi o primeiro a votar no colégio eleitoral no qual está inscrito, na região oeste de Caracas, em um pleito no qual busca a reeleição e que não conta com a participação da grande maioria da oposição, que o considera fraudulento.

“Fui o primeiro votante da pátria (…), sempre em primeiro nas batalhas pela nossa soberania, pelo direito à paz”, declarou o líder chavista, em entrevista coletiva depois de votar.

Nicolás Maduro

Nicolás Maduro, atual presidente, busca a reeleição na Venezuela

Maduro, que chegou ao local acompanhado da mulher, Cilia Flores, e de parte de sua equipe, considerou a jornada de votação de “um dia de celebração e participação, uma festa eleitoral”. Ele pediu aos venezuelanos para, nas urnas, “provar ao mundo que a Venezuela deve ser respeitada, é uma república soberana, livre e independente”.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

“Que ninguém perca este dia histórico (…), cuidemos todos dos centros eleitorais, cuidemos para que tudo aconteça em paz (…). Digo a todos os venezuelanos: o seu voto decide, votos ou balas, pátria ou colônia, paz ou violência, independência ou subordinação”, afirmou.

O presidente venezuelano disse que espera “uma muito boa participação” de eleitores neste domingo [20] e que, ao final, os resultados serão “reconhecidos pelo povo”, que “irá defendê-los;”.

Maduro alegou novamente a existência do que chamou de “campanha feroz” de vários países para evitar a realização do pleito e pediu à comunidade internacional para “não antecipar posição” de rejeição a um resultado eleitoral que ainda não é conhecido.

Também disputam o cargo de presidente o ex-governador Henri Falcón – um chavista dissidente que não apoiou a decisão da coalizão oposicionista Mesa da Unidade Democrática (MUD) de não participar e inscreveu candidatura -, o ex-pastor evangélico Javier Bertucci e o engenheiro Reinaldo Quijada.

Nestas eleições, na qual a MUD pediu que os eleitores não votem, também serão eleitos os membros dos conselhos legislativos dos 23 estados e dos 335 municípios.

Votações

Os centros de votação na Venezuela começaram a abrir às 6h de Caracas (7h em Brasília) para a eleição na qual o atual presidente, Nicolás Maduro, tenta a reeleição, e a grande maioria da oposição não participará, por considerá-la fraudulenta, da mesma forma que governos de vários países.

O Conselho Nacional Eleitoral (CNE), entidade que tem a desconfiança da MUD, montou 14.638 centros de votação em todo o território venezuelano com 34.143 mesas eleitorais.

Mais de 150 observadores internacionais acompanham o pleito, que está sendo realizado apesar de vários países, como os Estados Unidos e os da União Europeia, terem apelado para que fosse suspenso, alegando que não há condições de transparência.

A maioria da oposição, além de não participar das eleições, organizou protestos em dezenas de cidades ao redor do mundo para coletar assinaturas e denunciar a crise na Venezuela.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ Yamaha se despede da SR 400 após 43 anos de produção
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel