Coronavírus

Macron decreta lockdown na França para conter 2ª onda de Covid

Macron decreta lockdown na França para conter 2ª onda de Covid

O presidente francês, Emmanuel Macron, fala à imprensa após presidir reunião com equipe médica do hospital René Dubos, em Pontoise, Val d'Oise, em 23 de outubro de 2020, em meio à nova onda de infecções no país por covid-19 - POOL/AFP

PARIS, 28 OUT (ANSA) – O presidente da França, Emmanuel Macron, decretou nesta quarta-feira (28) um novo lockdown em todo o território nacional a partir da próxima sexta-feira (30), na tentativa de conter a segunda onda do coronavírus Sars-CoV-2.

Segundo o líder francês, bares, restaurantes e comércios não essenciais ficarão fechados. As escolas e atividades consideradas fundamentais, porém, permanecerão abertas. As restrições serão válidas até pelo menos 1º de dezembro.

O anúncio foi feito durante pronunciamento televisionado, e o bloqueio não será tão restritivo quanto o primeiro feito no início da pandemia, entre março e maio.

O novo decreto prevê ainda que as fronteiras entre os países do tratado Schengen continuem abertas. No entanto, as viagens regionais dentro do país ficarão proibidas. Além disso, as pessoas só poderão sair de casa para atividades profissionais essenciais, que devem ser comprovadas com atestados obrigatórios.

“As medidas adotadas até agora contra a segunda onda do coronavírus, como o toque de recolher nas áreas de máximo alerta, tem sido útil, mas não é suficiente. O vírus circula na França a uma velocidade que nem mesmo as previsões mais pessimistas previam”, afirmou Macron, ressaltando que a nova fase da pandemia será “mais dura e letal que a primeira”.

No balanço desta quarta, o país registrou um número recorde de novos casos de coronavírus no período de 24 horas: foram 69.854 pessoas diagnosticadas com a Covid-19. Ao todo, 767 óbitos foram confirmados no período.

Durante seu pronunciamento, Macron informou que o país pode contabilizar pelo menos mais 400 mil mortes em poucos meses se o governo não fizer nada contra o coronavírus.

“Devemos permanecer unidos e solidários e não ceder ao veneno das divisões. Estou confiante na nossa capacidade de passar neste teste, temos de aguentar, vamos conseguir. Para recuperar temos de nos manter unidos e continuaremos unidos”, finalizou.

(ANSA)

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel