Coronavírus

Macron decreta lockdown na França para conter 2ª onda de Covid

Macron decreta lockdown na França para conter 2ª onda de Covid

O presidente francês, Emmanuel Macron, fala à imprensa após presidir reunião com equipe médica do hospital René Dubos, em Pontoise, Val d'Oise, em 23 de outubro de 2020, em meio à nova onda de infecções no país por covid-19 - POOL/AFP


PARIS, 28 OUT (ANSA) – O presidente da França, Emmanuel Macron, decretou nesta quarta-feira (28) um novo lockdown em todo o território nacional a partir da próxima sexta-feira (30), na tentativa de conter a segunda onda do coronavírus Sars-CoV-2.

Segundo o líder francês, bares, restaurantes e comércios não essenciais ficarão fechados. As escolas e atividades consideradas fundamentais, porém, permanecerão abertas. As restrições serão válidas até pelo menos 1º de dezembro.

O anúncio foi feito durante pronunciamento televisionado, e o bloqueio não será tão restritivo quanto o primeiro feito no início da pandemia, entre março e maio.

O novo decreto prevê ainda que as fronteiras entre os países do tratado Schengen continuem abertas. No entanto, as viagens regionais dentro do país ficarão proibidas. Além disso, as pessoas só poderão sair de casa para atividades profissionais essenciais, que devem ser comprovadas com atestados obrigatórios.

“As medidas adotadas até agora contra a segunda onda do coronavírus, como o toque de recolher nas áreas de máximo alerta, tem sido útil, mas não é suficiente. O vírus circula na França a uma velocidade que nem mesmo as previsões mais pessimistas previam”, afirmou Macron, ressaltando que a nova fase da pandemia será “mais dura e letal que a primeira”.

No balanço desta quarta, o país registrou um número recorde de novos casos de coronavírus no período de 24 horas: foram 69.854 pessoas diagnosticadas com a Covid-19. Ao todo, 767 óbitos foram confirmados no período.

+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça

Durante seu pronunciamento, Macron informou que o país pode contabilizar pelo menos mais 400 mil mortes em poucos meses se o governo não fizer nada contra o coronavírus.

“Devemos permanecer unidos e solidários e não ceder ao veneno das divisões. Estou confiante na nossa capacidade de passar neste teste, temos de aguentar, vamos conseguir. Para recuperar temos de nos manter unidos e continuaremos unidos”, finalizou.

(ANSA)

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Nua, Cleo Pires exibe tatuagens em novos cliques
+ Nova Honda CG 160 2022, veja as novidades, preço e ficha técnica
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago