A semana

Macron ameaça não mais importar a soja brasileira

Crédito: Ian Langsdon

EMMANUEL MACRON A França quer produzir a sua própria soja: troco diplomático e econômico ao descaso de Bolsonaro com a Amazônia (Crédito: Ian Langsdon)

Mny-Jhee

A soja é o principal produto de exportação do Brasil. Se o presidente da França, Emmanuel Macron, cumprir a ameaça que fez na semana passada, o mercado internacional se tornará menos abrangente para a já tão combalida economia do País. Macron, que acertadamente vem criticando o descaso do governo de Jair Bolsonaro em relação à preservação ambiental, declarou nas redes sociais que “continuar dependendo da soja brasileira é endossar o desmatamento da Amazônia”. A França compra anualmente cerca de dois milhões de toneladas da soja aqui cultivada. A fala de Macron deixou claro que o seu país, além de repudiar a negligência de Jair Bolsonaro no que diz respeito à floresta tropical, pretende também incentivar a plantação e o cultivo da soja no continente europeu. Vale lembrar que, apesar de a França não ser a maior compradora, é a Europa que responde pela importação de cerca de 20% do grão. Em resposta a Macron, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que “ele desconhece a produção que é feita no cerrado e no sul do País”. E procurou contornar o incontornável: “Isso faz parte do jogo político”. Sendo ou não uma jogada estratégica da política econômica francesa, a verdade é que o governo brasileiro somente agora começa a sentir os efeitos do desmatamento que promove ao ver seus laços econômicos sob risco de serem desfeitos.

Líder mundial

O Brasil voltou a ser o maior produtor mundial de soja no período 2019/2020 (superando, assim, os EUA).
A produção brasileira chegou a 125 milhões de toneladas  

SOCIEDADE
O País bate recorde em importações de armas

MIGUEL SCHINCARIOL

No Brasil, o número de armas importadas foi recorde em 2019. No ano passado, tal marca dobrou: 118,1 mil unidades. Em um balanço geral, tem-se que, nos 24 meses em que Jair Bolsonaro preside o País, as importações de armamentos chegaram a 178 mil peças — mais que o total acumulado nos últimos 22 anos.

Empenhado em incentivar o ingresso no Brasil de fabricantes estrangeiros, Bolsonaro tem fechado a mão para a estatal brasileira que produz artefatos do gênero. Em 2020 destinou R$ 213 milhões à Indústria de Material Bélico do Brasil (Imbel). Valor menor que o repassado por Lula, Dilma Rousseff e Michel Temer. Bolsonaro, sabe-se nos bastidores, não gosta de armamentos nacionais.

LIVROS
“O piolho viajante” de dom Pedro I

Divulgação

Acaba de desembarcar no Brasil, na internet, no formato de e-book, uma raridade da literatura portuguesa do século 19. Trata-se do livro “O piolho viajante”, escrito em 1821 por Antônio Manuel Policarpo da Silva. Conta a história de um piolho que “viajou” setenta e duas vezes por diversas cabeças lusitanas, em uma crítica às mazelas da sociedade da época. Aficionado por essa obra foi dom Pedro I (foto), o proclamador de nossa Independência, a ponto de ele usar o título “O piolho viajante” como um de seus pseudônimos, entre os tantos (mais de trinta) dos quais se valeu, para xingar desafetos em textos que enviava para jornais. A linguagem de Pedro I era bastante pesada, mas engraçada. Alguns rótulos que ele colava naqueles dos quais não gostava:


+ Rapper implanta diamante de R$ 128 milhões no rosto
+ PR: Jovem desaparecida é encontrada morta; namorado confessa crime
+ Galo bota ovos e surpreende moradores de Santa Catarina

• “Pedaço d’asno”
• “Pés de chumbo”
• “Bazófio”
• “O senhor há de ferver em pulgas”

POLÍTICA
Viúva de Marielle torna-se vizinha de Carlos Bolsonaro

O destino às vezes é demasiadamente excessivo em sua ironia. Monica Benicio, viúva de Marielle Franco, executada por milicianos, elegeu-se vereadora nas eleições do final do ano passado. O seu gabinete, em prédio anexo ao da Câmara, é o de número 904. O seu vizinho, do 905, é Carlos Bolsonaro. Eles se atraem tanto quanto polos magnéticos idênticos de dois imãs.

Divulgação
O destino às vezes é demasiadamente excessivo em sua ironia. Monica Benicio, viúva de Marielle Franco, executada por milicianos, elegeu-se vereadora nas eleições do final do ano passado. O seu gabinete, em prédio anexo ao da Câmara, é o de número 904. O seu vizinho, do 905, é Carlos Bolsonaro. Eles se atraem tanto quanto polos magnéticos idênticos de dois imãs.

A tradução de um governo negligente

Militares costumam valorizar os símbolos da Pátria. Na semana passada, no entanto, o Brasil, mesmo tendo um capitão na Presidência da República e um general como vice, viu com tristeza o péssimo estado de conservação da Bandeira Nacional, hasteada na Praça dos Três Poderes, em Brasília. Ela estava deteriorada, rasgada, rota. Para as Forças Armadas, isso é, no mínimo, constrangedor.

Veja também

+ Aprenda 5 molhos fáceis para aproveitar o macarrão estocado
+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Cientistas desvendam mistério das crateras gigantes da Sibéria
+ Sexo: saiba qual é a melhor posição de acordo com o seu signo
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Cataratas do Niágara congelam e as imagens são incríveis
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Editora estreia com o romance La Cucina, uma aventura gastronômia e erótica

v