Mundo

M5S altera estatuto e se aproxima da ‘política tradicional’

ROMA, 14 AGO (ANSA) – Os eleitores inscritos no partido antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), dono da maior bancada no Parlamento da Itália, aprovaram nesta sexta-feira (14) duas mudanças que o aproximam do establishment no país.   

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

A primeira é a possibilidade de prefeitos da sigla exercerem três mandatos consecutivos em cargos públicos, enquanto a segunda é a possibilidade de se coligar com os ditos “partidos tradicionais” em eleições municipais.   

Fundado pelo cômico Beppe Grillo e pelo consultor Gianroberto Casaleggio (1954-2016) em 2009, o M5S tinha como pilares a proibição de seus membros exercerem mais de dois mandatos políticos seguidos e a repulsa a alianças com o establishment.   

A primeira norma já havia sido revista em 2019, quando o movimento criou o chamado “mandato zero” para vereadores, permitindo que seus candidatos disputassem uma segunda reeleição nas assembleias legislativas municipais.   

A flexibilização não valia para cargos executivos, mas, nesta sexta-feira, 80,1% dos 49 mil votantes aprovaram uma regra que permitirá a prefeitos do M5S exercerem três mandatos consecutivos. A nova medida adapta o estatuto do partido para defender a candidatura da prefeita de Roma, Virginia Raggi, que foi vereadora antes de exercer o cargo e, portanto, não poderia disputar a reeleição pelo movimento.   

“Obrigado a todos pelo apoio e encorajamento”, disse Raggi logo após a divulgação do resultado da votação. Ela confirmou que disputará novamente a Prefeitura de Roma no ano que vem. Já a aprovação das alianças com partidos tradicionais em eleições municipais obteve percentual menor, 59,9%.   

As duas votações foram realizadas na plataforma Rousseau, ferramenta de democracia direta do movimento e que não é auditada de forma independente.   

Alianças – O discurso do M5S de não se aliar à política tradicional sofreu o primeiro golpe em junho de 2018, quando o partido se juntou à legenda de extrema direita Liga, aliada histórica de Silvio Berlusconi, para chegar ao governo.   

A coalizão durou pouco mais de um ano e, após o então ministro do Interior Matteo Salvini retirar o apoio da Liga ao premiê Giuseppe Conte, o M5S fez um giro de 180 graus e se aliou ao Partido Democrático (PD), de centro-esquerda, com quem governa até hoje.   

M5S e PD tentaram reproduzir a coalizão nas eleições regionais na Úmbria, em outubro de 2019, mas acabaram derrotados pela Liga. Agora, no entanto, o movimento poderá se aliar aos “partidos tradicionais” também em pleitos municipais.   

“Hoje começa uma nova era para o Movimento 5 Estrelas. Incluir e agregar serão os caminhos, respeitando sempre nossos valores”, comentou o ministro das Relações Exteriores, Luigi Di Maio, principal expoente político do M5S.   

Partido mais votado nas eleições legislativas de março de 2018, com mais de 30% das preferências, o movimento viu sua popularidade despencar ao longo dos últimos dois anos, perdendo tanto eleitores progressistas (por causa da aliança com a Liga) quanto eurocéticos e nacionalistas (devido à coalizão com o PD).   

Hoje o M5S aparece em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de voto, atrás justamente da Liga e do Partido Democrático.   

(ANSA).   

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea