Nesta quarta-feira, 14, Luiz Inácio Lula da Silva vai desembarcar no Egito para compromissos. O país vive momento de tensão com o vizinho Israel devido a guerra com o Hamas.

Depois, entre 16 e 18 de fevereiro, o presidente estará na Etiópia. Por lá, na capital Adis Abeba, ele é um dos convidados da 37ª Cúpula de Chefes de Estado e Governo da União Africana.

Vale destacar que os países são novos membros dos Brics em 2024, com apoio do Brasil.

+ Filho de Lula critica exclusão do nome de Marisa Letícia em publicação nas redes do presidente
+ Lula celebra 44 anos do PT: Temos de nos renovarmos para vencer desafios da era digital

Estratégia no Egito

Segundo divulgado pelo governo, um dos objetivos é ampliar as relações com o Egito, país influente na região. O diálogo vem sendo estreitado com os egípcios nos últimos meses também por meio das negociações para a saída de brasileiros que estavam na Faixa de Gaza, em passagem de Rafah.

“O Egito é um ator importante na região. Esse diálogo se deu nos mais diversos níveis para conseguir a repatriação dos brasileiros. Essa circunstância tornou a relação ainda mais importante”, explicou Carlos Sérgio Sobral Duarte, secretário de África e Oriente Médio do Ministério das Relações Exteriores.

Assine nossa newsletter:

Inscreva-se nas nossas newsletters e receba as principais notícias do dia em seu e-mail

Ele ressaltou que o país é um dos principais parceiros comerciais do Brasil na África. “É um comércio forte e diversificado, especialmente nos produtos agrícolas”.

A projeção do governo brasileiro é que o Egito aprove, em um futuro breve, abatedouros e frigoríficos no Brasil para exportação de carne bovina.

Em 2023, o país africano abriu mercado para diversos produtos brasileiros. A lista engloba: peixes e derivados, carne de aves, algodão e gelatina e colágeno. Também será discutida a abertura de uma rota aérea entre os dois países, ligando São Paulo ao Cairo.

O convite a Lula foi feito pelo presidente Abdul Fatah al-Sisi antes mesmo de sua posse. Outro destaque é que 2024 marca 100 anos de relações diplomáticas entre Brasil e Egito.

Lula em discurso – Crédito: Divulgação/Ricardo Stuckert

Etiópia

Na Etiópia, por sua vez, Lula vai participar da Cúpula da União Africana. Haverá a participação de dezenas de chefes de Estado, desta maneira, o presidente tem convites para diversas reuniões bilaterais, “que ainda não estão definidas”.

“É também um país com o qual o Brasil pode desenvolver um comércio mais forte. É um país que tem tido um crescimento econômico forte e significativo e é um mercado importante. O Brasil pode se beneficiar tendo uma presença maior na Etiópia”.

De acordo com Duarte, o convite para a cúpula da União Africana pode ser interpretado como um sinal de prestígio, já que na maior parte das vezes apenas os governantes africanos participam desse evento. “É um reconhecimento da prioridade que o presidente vem dando à África em sua política externa”, destacou.


Siga a IstoÉ no Google News e receba alertas sobre as principais notícias