Edição nº2543 14/09 Ver edições anteriores

Lula ridiculariza a Justiça

Lula e os paus mandados do PT insistem em manter o nome do petista como candidato a presidente na propaganda no rádio e na TV, e, principalmente nas mídias sociais, no site do partido, onde ele deita e rola apresentando suas propostas como presidenciável. E isso mesmo depois do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ter decretado, por 6 a 1, que o presidiário não pode ser candidato, apenas por estar preso, mas por ser ficha suja, já que foi condenado em segunda instância e, portanto, não pode pleitear a candidatura.

Na decisão do TSE da madrugada de sábado, os ministros concluíram que além de não poder continuar com sua ilegal candidatura, o petista não poderia continuar aparecendo na propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV, que deveria devolver o dinheiro gasto com a campanha até aqui e que seu nome não poderia ir para a urna eletrônica. Decidiram, ainda, que caso o PT não cumpra o que manda a lei, será multado em R$ 500 mil.

Mas como Lula nunca respeitou qualquer decisão e sempre debochou da Justiça, do que vale essa multa? Nada. Afinal, se ela for paga, o será com o dinheiro do fundo partidário e do fundo eleitoral, que nada mais é do que dinheiro público. Assim, para Lula e seus fieis seguidores, precisa acontecer algo maior do que uma simples reprimenda. O programa do PT deveria ser retirado das TVs, dos sites e das mídias sociais. Como castigo, o PT teria que ser excluído do processo eleitoral. O pior é que Lula promete voltar à desmoralizada ONU para novamente pleitear a manutenção da sua candidatura, como se a ONU tivesse algum peso jurisdicional. Virou palhaçada de Lula, tripudiando da Justiça e rindo da cara dos brasileiros. Chega Lula.


Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.