O presidente Lula da Silva tem um projeto eleitoral prioritário que passa pela reedição das parcerias com o Estado e a Prefeitura do Rio de Janeiro. Ciente do poder do 3º maior colégio estadual nas urnas do País, Lula está chamando à prosa o governador Cláudio Castro (PL), até há pouco um aliado de Jair Bolsonaro. O prefeito Eduardo Paes (PSD) também tenta o approach. No bojo da argumentação para a edição de novo triunvirato nas três esferas, a necessidade de soluções emergenciais para a segurança e finanças do Estado, emendadas a escopos que levam às urnas em 2024 e 2026. O PT já topou abrir mão de candidatura na capital – Marcelo Freixo, agora no partido, sobrou de novo – em prol da reeleição de Eduardo Paes, com um vice indicado por Lula. E o presidente quer ajudar muito mais o Estado, apoiando um nome indicado por Castro ao Palácio Guanabara em 2026; costurando, assim, um nome do PT (ou o próprio Paes) para o Governo em 2030. Mas há muita água, ainda, neste rio de articulações.

Lula conversa com Cláudio Castro e Eduardo Paes sobre um projeto eleitoral que vingue para 2024 e 2026, mas rifa, de novo, o PT na capital

Padilha em campanha ofusca França

A largada foi dada antecipada. Em mais uma frente pré-eleitoral petista em São Paulo, o ministro palaciano Alexandre Padilha aproveita a vitrine do cargo para se aproximar de grandes banqueiros e dos financistas “farialimers”. Padilha tem se encontrado com André Esteves, do BTG, e diz a poucos contatos que será candidato a senador. Um problema para o próprio PT diante do projeto eleitoral do ministro Marcio França (PSB). Não há acordo por enquanto – mas haverá lá na frente. França também quer o Senado e, como tem sido rifado no inquilinato na Esplanada, vai cobrar a fatura ao partido aliado. Outra opção é um deles sair ao Governo.

Senado alerta Palácio

Jaques Wagner
Jaques Wagner (Crédito:Agência Brasil)

Principal conselheiro palaciano, o senador Jaques Wagner (PT-BA) ganhou a missão de amolecer o coração dos seus pares na Casa Alta para que, seja quem for o(a) indicado(a) ao STF, o nome passe com larga aprovação. É porque hoje o Senado está indisposto. Há demandas reprimidas de vossas excelências em diferentes áreas na Esplanada e nos Estados.

Governo e o grande desafio dos Dino

 Nicolao Dino
O procurador federal Nicolao Dino (Crédito:Wikipedia)

Os ministros envolvidos com o presidente Lula da Silva na (extensa) lista para vagas no STJ e STF têm desafio imenso: o que fazer com os irmãos Dino. Flávio, o da Justiça, é cotado para o Supremo; e o irmão procurador federal Nicolao está em campanha, há anos, para uma poltrona na Corte vizinha. Há um consenso no Palácio de que a nomeação da dupla seria um tremendo desgaste ao Governo. E um deles deve dançar. Nicolao foi um dos grandes articuladores do movimento que levou a procuradora-geral interina, Elizeta Ramos, a convocar eleições para chefes do MPF nos Estados, como antecipou o blog da Coluna.

Lula vetou volta de Occhi à Caixa

Agência Brasil
Agência Brasil

Funcionário de carreira, Gilberto Magalhães Occhi estava com um pé na porta da presidência da Caixa, que já comandou, quando foi vetado veementemente pelo presidente Lula da Silva. Occhi era o nome de consenso no Progressistas e até no PSD. Mas ele responde a um processo pela venda do Banco PAN de Silvio Santos para a Caixa na sua gestão. O Ministério Público a considerou superfaturada. A Caixa ficou com o mico na mão, porque herdou a carteira “podre” – de dívidas que provavelmente não vai receber de clientes. Outra na mira é Maria Fernanda Coelho, ex-presidente do banco estatal.

Choque elétrico acorda os MPs

O apagão paulistano abriu os olhos de procuradores do MP que hibernavam nas suas cavernas, nos Estados, para a farra de privatização da distribuição de energia por três governadores. Vem dossiê sobre serviços muito ruins (alguns ficaram com estatais) e os altos lucros das companhias.

Assine nossa newsletter:

Inscreva-se nas nossas newsletters e receba as principais notícias do dia em seu e-mail

A prospecção mineira

Alguém precisa lembrar à Finep que a Petrobras é pioneira e líder mundial de tecnologia em prospecção em águas profundas. O órgão vai pagar à Fundep/UFMG a bagatela de R$ 75 milhões para executar o projeto “Tecnologias inovadoras para produção eficiente de petróleo offshore: nanofluidos e géis em EOR”. Com o dinheiro da petroleira.

Menina$ Empoderada$

O Ministério da Educação tem pressa para o empoderamento da Fundepe ..ops, feminino. Contratou com dispensa de licitação, por R$ 240 mil, a Fundação Universitária de Desenvolvimento de Pesquisas da Federal de Alagoas para gerir o projeto “Empoderamento de Meninas e Adolescentes para Um Futuro Diferente – Vila Brejal, Maceió”.

NOS BASTIDORES

Lula vai à reeleição

Não tem – por ora – para Fernando Haddad ou Geraldo Alckmin. O presidente Lula da Silva é candidato certo à reeleição, garante o vice do PT Washington Quaquá (RJ).

Reforçar PF e RFB!

A Garantia da Lei e da Ordem decretada pelo presidente Lula da Silva nos portos e aeroportos de Rio e São Paulo são para gringo ver. Gargalos estão na fiscalização da Receita e investigações da PF.

Punição na OAB

Um dos mais conhecidos advogados de Brasília corre para sair do banco dos réus. Pedro Calmon Mendes foi punido pela OAB-DF por ter feito declarações falsas no processo de uma ex-cliente. Sofreu censura. Ele já advogou para Renan Calheiros.

Esse “mineiroca”

Aécio Neves sonda aliados para se candidatar novamente ao Governo de Minas. Mas precisa se reencontrar com o Estado. Tem ficado pouco em Belo Horizonte, numa agenda entre Brasília e Rio de Janeiro.


Siga a IstoÉ no Google News e receba alertas sobre as principais notícias