Brasil

“Nem sei onde faz suruba gay”, diz ‘príncipe’ Luiz Philippe de Orleans sobre boato espalhado por Frota

“Nem sei onde faz suruba gay”, diz ‘príncipe’ Luiz Philippe de Orleans sobre boato espalhado por Frota

Cotado por Jair Bolsonaro para ser candidato a vice-presidente na eleição de 2018, o deputado federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP) disse que o presidente reconheceu publicamente anteontem que não o escolheu para a chapa porque o ex-presidente do PSL Gustavo Bebianno “armou” um dossiê contra ele. Entre os boatos, segundo Orleans e Bragança, estariam fotos do deputado agredindo um mendigo e mantendo relações homossexuais.

Depois de dizer, em agosto de 2018, que o herdeiro da família real poderia ser seu companheiro de chapa, Bolsonaro convidou o general Hamilton Mourão (PRTB). Na ocasião, afirmou que o critério da escolha tinha sido a “governabilidade”.

“Na reunião com o presidente para a formação da Aliança (pelo Brasil, partido que Bolsonaro pretende criar), ele reconheceu publicamente que Bebianno armou para cima de mim e montou um monte de dossiês. Baseado nisso, ele tomou a decisão pelo Mourão, mas disse que deveria ter sido eu”, disse Orleans e Bragança, em áudio enviado a colaboradores e obtido pelo Estado.

O deputado também comentou uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo na qual o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) afirmou que Bolsonaro desistiu de indicá-lo como vice após ter recebido fotos “comprometedoras” dele e questionado se o possível vice seria gay.

“Sobre o Frota dizer que tinham fotos minhas fazendo suruba gay e outra denúncia fake que eu batia em mendigo. Inventam coisas. Não sou gay nem sei onde faz suruba gay (risos). Talvez eu ganhe pontos com a comunidade LGBT (risos). Isso é fake news do Frota”, afirmou o deputado no mesmo áudio.

Procurados, Bebianno e Frota não responderam à reportagem. O Palácio do Planalto não comentou o caso.

Além de Orleans e Bragança, a deputada estadual Janaína Paschoal e o ex-senador Magno Malta foram cotados como possíveis vices de Bolsonaro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.