Os ânimos ficaram exaltados entre o atacante Luciano, do São Paulo, e o técnico Fernando Diniz, do Fluminense, no duelo entre as equipes, na noite de segunda-feira, no MorumBis, pelo Brasileirão. Os dois, que já trabalharam juntos em ambos os clubes, se desentenderam de maneira ríspida ainda no primeiro tempo. O treinador foi expulso, enquanto o jogador são-paulino levou apenas cartão amarelo. O árbitro Anderson Daronco explicou a decisão na súmula da partida, vencida por 2 a 1 pelos paulistas.

“(Cartão vermelho) Por proferir as seguintes palavras ao jogador adversário o sr. Luciano da Rocha Neves n 10º: vai tomar no c…”, detalhou o árbitro. Durante a transmissão, foi possível ver o treinador questionando Daronco pela decisão. “Vai me expulsar porque mandei tomar no c… ? Tá todo mundo mandando todo mundo tomar no c…, Daronco”. Também foram distribuídos cinco amarelos para o São Paulo, e três para o Fluminense.

A discussão aconteceu nos acréscimos da etapa inicial. O zagueiro Manoel chutou a bola para lateral para ser atendido às pressas, mas Luciano ignorou o Fair Play e queria aproveitar o momento para recomeçar a partida rapidamente. Indignado, Diniz xingou o atacante, que não deixou barato e partiu para cima do antigo treinador. “Você acabou para mim”, disse o técnico durante o bate-boca. Atletas dos dois times intervieram e ajudaram a colocar panos quentes na discussão.

Ao fim da partida, o jogador do São Paulo explicou a confusão. “O Diniz veio ali e na hora que o Manoel caiu, eu peguei a bola e do nada ele me xingou. Eu pedi pra ele não me xingar e ele continuou. Depois ele falou para mim que a amizade acabou. Então, pra mim, se ele acha assim, pra mim acabou. Porque eu jamais xingaria ele na beira do campo. Ele tem que ver que ele não é mais meu treinador. Ele é um líder e não pode fazer isso. Eu acho que ele não deveria ter feito isso, mas fica de aprendizado”, disse o atacante, em entrevista ao programa “Boleiragem”, do SporTV.

Por sua vez, Diniz mais uma vez demonstrou surpresa com a decisão de Daronco em expulsá-lo. “Todo mundo sabe no futebol que xingar é do jogo. Todo jogo tem isso. No meio do futebol, é uma linguagem comum. Nunca vi alguém ser expulso por falar palavrão. Foi o que ele falou. Não tem critério. Não estou julgando sobre ele não ter expulsado ninguém do São Paulo, porque não tem que expulsar mesmo por palavrão”, disse.

“Sinceramente, não entendi a expulsão. Para mim, deveria ser amarelo. É algo inédito. Sobre o lance, claramente o Manoel sentiu a coxa e pôs a bola para fora. A coisa que era legal, que está na regra, mas era totalmente não legítimo o Luciano cobrar o lateral da forma que ia cobrar”, completou o treinador.