Esportes

Luan diz que má fase do Atlético-MG acabou: ‘Voltamos a jogar como sempre’

Ídolo da torcida do Atlético-MG, o meia-atacante Luan acha que a vitória convincente sobre o Santos, por 2 a 0, neste domingo, no Independência, pode representar, enfim, o término da má fase da equipe no Campeonato Brasileiro. Ele acredita que o time mostrou força e união, elogiando seus companheiros.

“Nosso time voltou a ser o de sempre. Foi intenso, agressivo e também muito inteligente. A gente precisava desta vitória para dar uma respirada, ganhar tempo para treinar e voltar ao futebol que realmente temos condições de mostrar à nossa torcida”, ressaltou Luan que marcou o primeiro gol do duelo, logo no minuto inicial.

“Este gol logo no começo ajudou bastante. Depois o Léo fez o segundo e nós ficamos bem tranquilos. Quando o time deles nos pressionou, nós soubemos sofrer. O Nathan foi muito bem e a marcação funcionou mais do que devia. O Elias também foi espetacular, como o Zé Welison, que depois entrou e deu conta do recado”.

Um dos heróis da tarde também aproveitou o bom momento para criticar a utilização do VAR, explicando que tinha certeza da legalidade do seu gol. O lance só foi validado depois de demorada avaliação. “Eu já sabia que tinha sido gol porque vim de trás e dominei a bola no peito. O juiz olhou para ver se eu estava impedido, mas eu disse para ele que não estava e que tinha matado a bola no peito. Assisti ao jogo hoje, Liverpool e Manchester, e em apenas sete segundos, já sabiam que não tinha sido nada. O VAR vai melhorar com o tempo, porque é um sofrimento. A gente tem que comemorar duas vezes”.

Para o meia Nathan, além da união e determinação dos jogadores, outro fator fundamental nesta vitória foi a torcida. “Ela fez a total diferença. O time inteiro lutou, batalhou, e isso mostra a força do nosso grupo, junto com a torcida. A torcida fez diferença hoje. Sei que a nossa caminhada vai com certeza ser com vitórias se a torcida jogar ao lado do time”, assegurou.

Ele estava tão contente, que nem se importou em atuar como primeiro volante, posição que não é a sua especialidade. “Estou aqui para ajudar o time e jogo onde for necessário. Treinei muito para me adaptar à posição e acho que deu certo” concluiu.