Livro revela como um abraço salvou o mais tradicional bairro de Brasília

Pesquisadora rememora em detalhes o dia que encontrou Sarney, e os personagens que ergueram e ainda sustentam a Vila Planalto

Crédito: Divulgação

(Crédito: Divulgação)

Uma cena memorável em 1986 na trajetória do ex-presidente da República José Sarney revela-se hoje muito mais que um gesto carinhoso de uma criança – e a retribuição afável do veterano. Uma menininha de 10 anos furou o bloqueio da segurança na rampa do Palácio do Planalto, correu e abraçou o presidente – algo raro naquela época.

A pequena tinha uma carta em mãos. Era um apelo desesperado dos moradores da Vila Planalto, dos pioneiros construtores da capital logo ali atrás, prestes a ser derrubada pelo então governo de José Aparecido no DF.

Sarney interveio e ligou para o governador, pedindo apoio numa solução. Fato é que hoje a Vila ainda está ali, e aquele abraço e a carta da menininha salvaram o que hoje é um dos mais tradicionais bairros da capital. Esta e outras revelações estão no livro que a pesquisadora Leiliane Rebouças (aquela menininha) lança nesta terça-feira (3): “Vizinhos do Poder” , em formato e-book na plataforma Amazon. O prefácio é de Sarney, claro, de quem tornou-se amiga nestes 36 anos.

Leiliane Rebouças, autora do livro (Crédito:Divulgação)

Nas palavras do próprio ex-presidente, no livro, o endosso do script que mudou o destino daquele pedaço de terra vermelha e poeirenta a um quilômetro atrás do Palácio:

“Como Leiliane entra nessa história? Ela é a heroína da Vila Planalto. Sem ela, talvez a Vila tivesse desaparecido e apagar-se-ia o testemunho do Primeiro Acampamento da Construção de Brasília e dos hábitos trazidos para cá por gente de todo o Brasil, que aqui chegaram em busca de vida nova, na aventura de encontrar o tesouro da felicidade.

Aos 65 anos, a Vila Planalto hoje é um resquício da aventura sonhada por muitos brasileiros do passado, concretizada pelo presidente Juscelino Kubitschek com a mudança da capital, construindo a cidade neste então deserto e fonte perdida das águas emendadas”.

Este é o terceiro livro de Leiliane Rebouças. Ela já publicou um artigo em duas coletâneas: uma pela editora UNB, em comemoração aos 60 anos de Brasília; e outra em abril pelo TJDFT, sobre patrimônio cultural brasileiro.

Um pouquinho daquele período da construção da capital e seus personagens – muitos deles nascidos e ainda vivendo na Vila Planalto – também está no documentário lançado recentemente pela CNN Brasil, sob olhar apurado do repórter Leandro Magalhães.






Sobre o autor

Leandro Mazzini começou a carreira jornalística em 1996. É graduado em Comunicação Social pela FACHA, do Rio de Janeiro, e pós-graduado em Ciência Política pela UnB. A partir de 2000, passou por ‘Jornal do Brasil’, ‘Agência Rio de Notícias’, ‘Correio do Brasil’, ‘Gazeta Mercantil’ e outros veículos. Assinou o Informe JB de 2007 a 2011, e também foi colunista da Gazeta. Entre 2009 e 2014 apresentou os programas ‘Frente a Frente’ e ‘Tribuna Independente’ (ao vivo) na REDEVIDA de Televisão, em rede, foi comentarista político do telejornal da Vida, na mesma emissora e foi comentarista da Rede Mais/Record TV em MG. Em 2011, lançou a ‘Coluna Esplanada’, reproduzida hoje em mais de 50 jornais de 25 capitais e interior Foi colunista dos portais ‘UOL’ e ‘iG’ desde então, e agora escreve no blog que leva seu sobrenome no portal da ‘Revista Isto É’, onde conta com o trabalho dos jornalistas Walmor Parente, Carolina Freitas e Sara Moreira, além de correspondentes no Rio e Recife. É também comentarista das rádios ‘JK FM’ em Brasília, ‘Super TUPI’, do Rio, e ‘Rádio Muriaé’.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.