Mundo

Linux elimina palavras racistas de sua programação

ROMA, 14 JUL (ANSA) – O finlandês Linus Torvalds, criador do sistema operacional Linux, aprovou um novo tipo de orientação na qual é sugerido ao usuário não usar mais termos considerados racistas como, “mestre”, “escravo” e “lista negra”, ao escrever relatórios.   

A alteração promovida pelo criador do Linux foi motivada por um movimento para mudar termos de codificação que fazem referências à escravidão. A medida também ocorre em meio ao movimento antirracista Black Lives Matter (Vidas Negras Importam).   

Torvalds não revelou uma lista definitiva de palavras substitutas, mas apontou algumas alternativas. Mestre e escravo, por exemplo, podem ser trocadas por primário e secundário. Já lista negra e lista branca, podem ser substituídas por lista de bloqueios ou lista de permissões.   

Os novos termos anunciados pelo Linux serão utilizados nos novos códigos-fonte e em seus respectivos documentos.   

A nova medida da equipe Linux fez com que se juntasse a outras empresas do ramo da tecnologia que também retiraram termos considerados racistas, como Twitter, Github, Microsoft, LinkedIn e Android.(ANSA)


+ Advogada é morta e tem corpo carbonizado no Rio de Janeiro
+ Morre Liliane Amorim, influencer de Juazeiro do Norte, após complicações da realização de lipoaspiração

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Atriz e modelo sul-coreana Song Yoo-jung morre aos 26 anos
+ Pais matam as 2 filhas para provar que elas voltariam a vida
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra! + Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel