Liberar a quarentena a investidores

Crédito: José Manuel Diogo

(Crédito: José Manuel Diogo)


Aplicar a investidores as mesmas regras aplicadas a turistas não faz algum sentido. Mas o pior mesmo é quarentená-los. Infelizmente isso está acontecendo em todo o mundo e os investidores brasileiros são dos mais prejudicados.

A medida não faz qualquer sentido porque os investidores internacionais não assistem a festas privadas, não viajam em transportes públicos, nem se aglomeram em praias ou carreatas. Eles “apenas” visitam projetos, debatem empreendimentos, e nas reuniões de negócio usam sempre máscara. Se a lei os obrigar a ficar quietos e um quarto de hotel eles não irão a lugar algum. E, como nunca, a economia precisa deles.

Mas isto é o que está acontecendo a investidores do Brasil e da Índia — precisamente duas das maiores economias emergentes do mundo e com maior “apetite” por ativos imobiliários e financeiros por toda a Europa.

Brasileiros e indianos, mas também de outros países com profundas e estreitas ligações, culturais e históricas, a países europeus como Portugal, a Espanha e a Itália, em uma altura de essencial para o investimento, vêm o velho continente lhes fechar as portas do investimento internacional.

Todos aplaudiriam se os governos europeus, através da União Europeia criassem um corredor especial destinado ao Investimento Direto Estrangeiro. Essa medida de desconfinamento seria uma exceção bem-vinda — e sem qualquer impacto sanitário — para quem manifestasse a intenção de investir — não em apenas real estate,  mas como muitas vezes acontece, na criação de empresas e muitos empregos.

Apresentar uma prova de teste negativo à COVID-19 à entrada de um país é muito razoável, e até indispensável, mas tornar obrigatório o cumprimento de um período de isolamento profilático de 14 dias, em casa ou num local indicado pelas autoridades sanitárias, após a entrada na Europa, é a mesma coisa que dizer aos investidores: “não venham!”

Como falava o comendador Mendes Pereira, em tempos de crise tire o “s” — e crie. Um passaporte de investimento covid free destinado a investidores responsáveis é uma ideia simples e que ajudaria na retoma mais rápida das economias mundiais.

Veja também
+ Corpo de jovem desaparecido é encontrado em caçamba de lixo
+ Corpo de Gabby Petito é encontrado, diz site; legista afirma que foi homicídio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Vídeo: família é flagrada colocando cabelo na comida para não pagar a conta
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Instituto Gabriel Medina fecha portas em Maresias
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.