ISTOÉ Gente

Letizia Battaglia, fotógrafa pioneira que desafiou a máfia, morre aos 87 anos

Letizia Battaglia, fotógrafa pioneira que desafiou a máfia, morre aos 87 anos

Fotógrafa Letizia Battaglia em entrevista à Reuters

Por Philip Pullella

ROMA (Reuters) – Letizia Battaglia, fotógrafa de renome mundial cujo trabalho corajoso documentando o domínio da máfia em sua terra natal, a Sicília, foi ao mesmo tempo assustador e marcador, morreu aos 87 anos.

Battaglia, que morreu na capital siciliana, Palermo, na noite de quarta-feira, fotografou as brutais guerras da máfia dos anos 1980 e 1990, mostrando assassinatos políticos e cadáveres em poças de sangue nas calçadas ou abandonados ao lado de estradas rurais.

Ela era igualmente famosa por fotos que retrataram o impacto da máfia sobre os sicilianos, como um menino brincando de “assassino” usando uma meia de nylon sobre o rosto e segurando uma arma de brinquedo ou uma viúva em luto de uma vítima da máfia em um funeral.

“Fiz o que pude para abalar as consciências, mostrando não apenas as mortes violentas, mas também a pobreza causada pela máfia”, disse Battaglia certa vez.

“Ela documentou as atrocidades da máfia muito antes de ser popular ou seguro fazê-lo”, escreveu Alexander Stille, autor de “Excellent Cadavers”, um livro de referência sobre a máfia, na New York Review of Books em 1999.

Entre seus outros trabalhos, Battaglia documentou o que os italianos chamavam de “Sicilia bene”, o mundo da alta sociedade de sua ilha natal, compreendendo os ricos e influentes, cujos membros muitas vezes tinham ligações com a política e o crime organizado.

“Palermo perde uma mulher extraordinária, um ponto de referência”, disse Leoluca Orlando, atual prefeito da capital siciliana.

“Letizia Battaglia era um símbolo reconhecido internacionalmente, uma porta-bandeira no caminho da libertação da cidade de Palermo do governo da máfia.”

tagreuters.com2022binary_LYNXNPEI3D0MP-BASEIMAGE