Cultura

Leonardo, o maior inovador da História

Biografia de Leonardo da Vinci explica como o artista italiano uniu ciência, tecnologia, arte, filosofia e imaginação para criar um legado que continua a transformar o mundo


Provável autorretrato de Leonardo da Vinci (c. 1512) (Crédito:Album / Fine Art Images)

É difícil explicar o artista toscano Leonardo da Vinci (1452-1519). Esta foi a missão do jornalista e historiador americano Walter Isaacson, de 65 anos, ao escrever a biografia “Leonardo da Vinci”, lançada no Brasil pela editora Intrínseca. Isaacson redimensiona o legado de Leonardo para afiná-lo ao tom do século 21.

Segundo ele, Leonardo foi um precursor da ciência experimental atual e um inovador que ainda inspira as mentes brilhantes e os influenciadores do século 21. Valoriza o caráter criativo, fantasioso, sociável e disfuncional deste “gênio criativo”, comparável aos de Benjamin Franklin, Albert Einstein e Steve Jobs, personalidades biografadas por Isaacson que alteraram a história da humanidade. “Leonardo é o exemplo do tema central de minhas biografias: como a habilidade de conectar disciplinas – artes e ciências, humanidades e tecnologia — é a chave da inovação, imaginação e genialidade”, diz o autor.

Heritage Images

Leonardo inovou, mas a razão de ter realizado tantas façanhas é um mistério. Brilhou no campo das artes, da ciência, das humanidades e da tecnologia. Criou as técnicas do “chiaroscuro” e do “sfumato”, pintou a tela mais famosa, a “Mona Lisa”.

Produziu novelas fantásticas e dirigiu eventos teatrais, para os quais criou projetos de máquinas voadoras que só foram testadas no século 20. Ele encarna o espírito livre da Renascença, mas isso não esgota o assunto.


+ Mãe conta à polícia que ateou fogo e matou bebê por ‘vergonha’ de ter a gravidez descoberta
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Youtuber é perseguido por jacaré de três metros: veja vídeo



Hoje ele é chamado de polímata, um especialista em várias áreas do conhecimento. Artesão, pintor, engenheiro, observador de pássaros, geômetra, anatomista — ele foi tudo isso, mas sobretudo um homem levado pela curiosidade que encheu 7.200 de páginas de cadernos de anotações, com listas, esboços, desenhos, hoje espalhadas em várias cidades. Na mesma folha, desenhava, comentava, fazia listas e deixava os discípulos anotarem piadas.

 

 

“Se Leonardo tivesse sido estudante no século 21, talvez fosse posto em
um regime para amenizar as alterações de humor
e o déficit de atenção”
Walter Isaacson, escritor

Desperdício

A novidade de Isaacson foi ter se debruçado sobre os cadernos. “Os cadernos e desenhos são como uma janela para sua mente febril, criativa, maníaca e, às vezes, eufórica”, diz. “Se Leonardo tivesse sido estudante no início do século 21, talvez fosse posto em um regime medicamentoso para amenizar as alterações de humor e o transtorno de déficit de atenção.” Quis abraçar o mundo e se dispersou. Não finalizou a maior parte de suas telas.

Como era hábito, não as assinava. Até hoje, 15 obras lhe são atribuídas, e dezenas sumiram, como “Leda e o Cisne”, única obra erótica do artista, da qual resta uma cópia pelo discípulo Francesco Melzi. Foi considerada indecente e destruída por madame de Maintenon, amante de Luís XIV, como diz a lenda. Algumas foram recém- descobertas, como “Salvator Mundi” em 2011. Também abandonava projetos. “Ele cometeu erros”, afirma o biógrafo. “Saiu por várias tangentes, enquanto tentava resolver problemas matemáticos que se transformaram em distrações.”

Leonardo dizia que se orgulhava de ser “um homem iletrado”, um “discípulo da experiência”, como escreveu eu um discurso em 1490, ao criticar aqueles que preferiam se basear em citações de autores clássicos a fazer suas experiências. “Aquele que pode ir à nascente de um rio não vai até um jarro de água”, dizia. Esta pode ser a chave de sua contribuição: a experimentação em todos os campos do saber, sem distinguir ciência, humanidades e artes. Leonardo era filho bastardo de um notário e uma camponesa.

Não teve educação formal e compensou a lacuna formando uma biblioteca (no fim da vida tinha 120 volumes quantidade enorme para a época) e conversando com os especialistas sobre temas pelos quais se interessava. Em 1490, em Milão, começou estudar latim por conta própria. Transcreveu várias páginas de palavras e conjugações, com base em gramáticas. Uma página de seus cadernos traz 130 palavras, decorados com uma carranca, como a manifestar sua dificuldade para aprender o idioma dos cientistas e pensadores. Talvez este tenha sido o motivo pelo qual não ousou estudar filosofia. Como autodidata, dedicava-se a tarefas mais práticas que especulativas.

Reprodução

Diabinho

Cada geração forneceu uma explicação sobre o segredo de suas realizações. Giorgio Vasari, em “A vida dos mais extraordinários pintores, escultores e arquitetos” (1550), afirma que Leonardo era o ser perfeito: sábio, simpático e belo. No século 19, os artistas românticos inspiraram-se em Leonardo para formular o conceito de gênio artístico. Nos séculos 19 e 20, foi identificado como o precursor da alta tecnologia, tendo projetado máquinas surpreendentes, como o avião.

Tudo parece ter sido revelado sobre ele, mas continuam a surgir detalhes inéditos. Isaacson chama atenção sobre aspectos até agora ignorados. É o caso de seu temperamento generoso e gregário, que o tornou apto a trabalhar em equipe antes do surgimento da ciência e da arte experimentais. Em 1490, seu projeto “Homem Vitruviano” contou com um ambiente colaborativo parecido com o das atuais startups: a participação de quatro amigos para definir a fórmula perfeita para a arquitetura, baseada nas proporções do corpo humano. Especula-se que Leonardo, então com 38 anos, tenha se desenhado a si próprio.

Em seu ateliê, contava com amigos, o arquiteto Damiano Bramante, com quem reformou o Duomo de Milão, e de dezenas de discípulos – que, não raro, concluíam as telas do mestre. Outro aspecto pouco estudado é o da sexualidade. Segundo Isaacson, Leonardo se orgulhava de ser gay. Na maturidade, morou com um aprendiz, Gian Giacomo Caprotti da Oreno (1480-1524). Leonardo o sustentava e perdoava seus roubos e traquinagens. Apelidou-o de “Salai”, “diabinho”. Foi modelo para muitos nus do mestre.

Isaacson diz ter aprendido com ele que o desejo de se surpreender enriquece a vida: “A curiosidade e o experimentalismo incessantes de Leonardo deveriam nos lembrar da importância de incutir, tanto em nós mesmos quanto em nossos filhos, a ideia de não apenas assimilar o conhecimento mas se mostrar sempre disposto a questioná-lo — ser criativo e, como muitos desajustados talentosos e rebeldes de todas as épocas, pensar diferente”.

Reprodução

Veja também

+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS