Lei amarra federações para eleições municipais e trava palanques de 2022

Além dos numerosos e difíceis arranjos estaduais para chapas, partidos terão que manter acordo para eleição de 2024, quando cenários serão outros

Crédito: José Cruz/Arquivo Agência Brasil

(Crédito: José Cruz/Arquivo Agência Brasil)

Cada eleição é uma eleição, repetem experientes políticos. A verticalização imposta pelo Tribunal Superior Eleitoral anos atrás não vingou porque as coalizões de Brasília, para campanhas presidenciais, em muitos casos defrontam com os arranjos municipais – onde, já muito se viu, até chapa de DEM com PT Brasil adentro.

Não é diferente agora. As negociações para criação de federações em Brasília (no Congresso Nacional e para eleição presidencial neste ano) estão travadas porque a lei amarra as mesmas para o pleito de 2024. O que inviabiliza muitos – e muitos mesmo – acordos locais para daqui dois anos, quando os cenários, candidatos, caciques estarão em diferentes projetos e palanques.


As conversas, atualmente, giram em torno da composição de federações para a disputa das eleições presidenciais. No entanto, antes de baterem o martelo, líderes partidários avaliam cenários e implicações das alianças “engessadas” para as municipais de 2024. Em suma, PSB e PT podem fechar federação hoje, mas isso atrapalha candidaturas em várias capitais daqui a dois anos, para ambos os partidos, que têm expoentes locais com potenciais de votos, cada qual em sua legenda.

Por isso, apesar de afinidades entre algumas siglas, as federações ainda não foram e correm o risco de não serem oficializadas.

À Coluna, o advogado Joelson Dias, fundador da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep), diz que a expectativa é de que as federações não sejam criadas apenas para fins eleitorais e que prestigiam a “identidade ideológica” entre partidos.

Conforme Joelson, “o STF já se manifestou no sentido de que tende a considerar que o prazo de duração é mesmo de quatro anos e, portanto, sua criação valerá também para as eleições subsequentes de 2024, sob pena de, em caso de desligamento antecipado, o partido se ver impedido de celebrar coligações para as eleições majoritárias”.

A conferir o saladão eleitoral – e as brigas também – que estão por vir.






Sobre o autor

Leandro Mazzini começou a carreira jornalística em 1996. É graduado em Comunicação Social pela FACHA, do Rio de Janeiro, e pós-graduado em Ciência Política pela UnB. A partir de 2000, passou por ‘Jornal do Brasil’, ‘Agência Rio de Notícias’, ‘Correio do Brasil’, ‘Gazeta Mercantil’ e outros veículos. Assinou o Informe JB de 2007 a 2011, e também foi colunista da Gazeta. Entre 2009 e 2014 apresentou os programas ‘Frente a Frente’ e ‘Tribuna Independente’ (ao vivo) na REDEVIDA de Televisão, em rede, foi comentarista político do telejornal da Vida, na mesma emissora e foi comentarista da Rede Mais/Record TV em MG. Em 2011, lançou a ‘Coluna Esplanada’, reproduzida hoje em mais de 50 jornais de 25 capitais e interior Foi colunista dos portais ‘UOL’ e ‘iG’ desde então, e agora escreve no blog que leva seu sobrenome no portal da ‘Revista Isto É’, onde conta com o trabalho dos jornalistas Walmor Parente, Carolina Freitas e Sara Moreira, além de correspondentes no Rio e Recife. É também comentarista das rádios ‘JK FM’ em Brasília, ‘Super TUPI’, do Rio, e ‘Rádio Muriaé’.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.