Esportes

Leclerc desabafa e diz que não é racista

Crédito: Reprodução Instagram

Charles Leclerc, piloto da Ferrari (Crédito: Reprodução Instagram)

ROMA, 6 AGO (ANSA) – O piloto Charles Leclerc, da Ferrari, fez um desabafo nesta quinta-feira (6) em suas redes sociais. O monegasco negou que seja racista por não ter se ajoelhado nos protestos da Fórmula 1 contra a discriminação.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Leclerc, junto com alguns outros pilotos, foi acusado de ser racista por não se ajoelhar nos atos contra o racismo, promovidos por Lewis Hamilton, da Mercedes. O monegasco se defendeu dizendo que acha o racismo “nojento”.

“É muito triste ver como minhas palavras são distorcidas para criar manchetes que me fazem parecer racista. Não sou racista e odeio o racismo. O racismo é nojento”, escreveu o piloto em suas redes sociais.

Apesar do momento adverso que a Ferrari está passando nesta temporada, o monegasco conseguiu conquistar dois pódios em quatro Grandes Prêmios. Leclerc está em quinto na classificação geral. (ANSA).

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea