ISTOÉ 2016

Laís Souza comove público que foi ao Parque do Ibirapuera para ver tocha olímpica

Laís Souza comoveu o público neste domingo no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Ela assumiu a condução da tocha olímpica dos Jogos Rio-2016 em uma cadeira de rodas adaptada. A ex-ginasta se recupera da perda dos movimentos nos braços e pernas. Ela sofreu um acidente de esqui aéreo, quando se preparava para os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, na Rússia, há dois anos, que a deixou tetraplégica.

“Minha tocha representa todos os cadeirantes”, disse Laís, visivelmente emocionada. Quase de pé e com passos lentos, ela recebeu muitos aplausos. Gritos de “guerreira” a incentivaram durante um trajeto simbólico. “Eu fiquei muito emocionada quando as pessoas gritaram meu nome. Treinamos muito para que desse tudo certo”, afirmou. “Estou carregando não só a minha felicidade, mas a vontade e a felicidade de muitas pessoas. A participação dos cadeirantes, dos brasileiros em geral”.

Gustavo Borges, ganhador de quatro medalhas olímpicas, recebeu a tocha na rua Boavista, ainda no centro da capital. Ele fez questão de levar a família para prestigiar o evento. “É uma emoção diferente, por ser na cidade onde moro. Agora é o momento de ficar na torcida, com a minha mãe. Até porque se eu caísse nas piscinas, iria sentir o corpo meio dolorido e perderia para alguém 20 anos mais novo”, brincou o atual comentarista das provas da modalidade, antes de dar um abraço no ex-jogador de vôlei e campeão olímpico em Atenas-2004, Giovane Gavio.

No Teatro Municipal, o maestro João Carlos Martins dividiu a emoção com Casagrande. Na subida da Consolação, o ex-jogador de futebol e atualmente comentarista de TV passou a vez. Ele lembrou que a cidade será palco de partidas do torneio de futebol. “Convido a torcida do Corinthians para assistir, da Arena, a semifinal do futebol masculino e a disputa do bronze feminino”, disse.

Marcus Vinícius d’Almeida, de 18 anos, vai disputar os Jogos Olímpicos Rio-2016 no de tiro com arco. Vice-campeão da Copa do Mundo e campeão mundial Sub-17, ele participou do revezamento da tocha e neste domingo mesmo foi para a Vila Olímpica, no Rio. “Nosso grupo tem uma meta: fazer o melhor. E nosso melhor tem grandes chances de medalha. A emoção está batendo”, afirmou.