Lágrimas de crocodilo

O presidente Jair Bolsonaro chorou. E parece que não foi só uma vez, mas duas, inclusive diante de pessoas com quem não tem intimidade. É inadmissível que Bolsonaro chore. É uma desfaçatez. Quem tem que chorar somos nós, os cidadãos brasileiros, crianças, idosos e outras pessoas de qualquer idade e gênero. O Brasil tem o azar de viver duas tragédias simultâneas. Uma pandemia e um presidente estrupício, que, quando a coisa aperta, choraminga. Provavelmente foi um choro de mentira, lágrimas de crocodilo. Os crocodilos costumam soltar lágrimas enquanto mastigam suas vítimas. Mesmo assim, digamos que seja verdade, que tenha sido uma manifestação emotiva. Por que Bolsonaro teria chorado?

Uma das possibilidades é que isso tenha acontecido porque ele descobriu que está em segundo plano, virou uma espécie de bobo da própria corte. Pouco importa agora o que Bolsonaro e seus filhos digam, são sempre tolices e palavras cruéis ou conspiratórias. O problema que se instalou é muito maior, mais grave do que o marxismo cultural que os perturba. Quem tem o domínio da cena agora é o ministro da Saúde, Luiz Mandetta, que tem trazido um pouco de racionalidade para o governo. O presidente chorou por isso também. Porque para ele o que deve vigorar é o caos, a falta de razão, as ideias obscurantistas. Agora que o centro do poder está sob controle de um grupo técnico-científico, ele ficou por fora, virou figura descartável. Além de maldades, Bolsonaro nada tem a dizer ou fazer. Não entende nada e ganha tempo para continuar não entendendo nada.

Bolsonaro talvez tenha chorado também porque é um homem sem coração, sem empatia com seus semelhantes, que não demonstra compaixão por ninguém, a não ser seus filhos, com quem tem uma relação simbiótica e perversa. Teria sido um choro contido, dissimulado, do sujeito que tenta se fazer de vítima. Bolsonaro deveria pensar em sua mãe Olinda, de 93 anos. Mas prefere expor sua falta de compaixão com os idosos e com as pessoas com problemas de saúde, cuja mortepara ele, pouco importa.

Bolsonaro chorou, finalmente, porque sua política econômica ultra-neoliberal ficou para trás, foi para a gaveta nas atuais circunstâncias e é provável que envelheça antes mesmo de nascer. Embora ele tenha dificuldade de perceber isso, a vida das pessoas é mais importante do que as contas públicas. Chegou um vírus para derrubar suas ideias fora do lugar. Mas, pensando bem, na sua pequenez, talvez ele tenha chorado porque duas de suas publicações sobre seu irresponsável passeio em Brasília foram tiradas do ar pelo Twitter. Isso foi demais para ele.

Na sua pequenez, talvez Bolsonaro tenha chorado porque duas de suas publicações foram excluídas
do Twitter. É demais para ele

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ App permite testar melhor design de sobrancelhas para você

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar



Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.