Tecnologia & Meio ambiente

Laboratório americano identifica novo subtipo de HIV

Laboratório americano identifica novo subtipo de HIV

A cepa, HIV-1 Grupo M subtipo L, foi registrada em três pessoas a partir de amostras de sangue colhidas entre os anos 1980 e 2001, todas na República Democrática do Congo - AFP/Arquivos

Uma empresa farmacêutica dos EUA identificou um novo subtipo do vírus da imunodeficiência humana (HIV) e disse que a descoberta mostra que o sequenciamento genômico de ponta está ajudando os pesquisadores a ficar à frente das mutações.

A cepa, HIV-1 Grupo M subtipo L, foi registrada em três pessoas a partir de amostras de sangue colhidas entre os anos 1980 e 2001, todas na República Democrática do Congo, disseram os laboratórios Abbott à AFP nesta quinta-feira.

Para classificar um novo subtipo, três casos devem ser descobertos independentemente, de acordo com diretrizes emitidas em 2000.

O grupo M é a forma mais prevalente do vírus HIV-1. O subtipo L é agora o décimo deste grupo e o primeiro a ser identificado desde que as diretrizes foram publicadas.

Os medicamentos antirretrovirais, que hoje podem reduzir a carga viral de um portador do HIV até o ponto em que a infecção é indetectável e deixa de ser transmitida, geralmente têm um bom desempenho contra uma variedade de subtipos, de acordo com uma pesquisa.


+ Advogada é morta e tem corpo carbonizado no Rio de Janeiro
+ Morre Liliane Amorim, influencer de Juazeiro do Norte, após complicações da realização de lipoaspiração

Mas também há evidências de diferenças entre os subtipos na resistência aos medicamentos.

“Como o subtipo L faz parte do principal grupo do HIV, o Grupo M, eu esperaria que os tratamentos atuais funcionem com ele”, disse à AFP Mary Rodgers, principal cientista e chefe do Programa Global de Vigilância Viral da Abbott.

Ela acrescentou que a Abbott estava disponibilizando a sequência para a comunidade de pesquisa para avaliar seu impacto nos testes de diagnóstico, tratamentos e possíveis vacinas.

“Em um mundo cada vez mais conectado, não podemos mais pensar em vírus contidos em um único local”, acrescentou Carole McArthur, professora de ciências bucais e craniofaciais da Universidade do Missouri, Kansas City, que foi coautor de um artigo sobre a descoberta no Jornal de Síndromes de Imunodeficiência Adquirida (JAIDS).

“Essa descoberta nos lembra que, para acabar com a pandemia de HIV, devemos continuar superando esse vírus em constante mudança e usar os últimos avanços em tecnologia e recursos para monitorar sua evolução”, acrescentou.

A terceira amostra foi coletada há 18 anos, mas era difícil de sequenciar dadas as restrições técnicas da época.

O Abbott disse que o avanço foi possível graças à tecnologia de sequenciamento de última geração, que permitiu que os cientistas construíssem um genoma inteiro com maior velocidade e menor custo.

“Essa descoberta científica pode nos ajudar a garantir que estamos interrompendo novas pandemias”, disse Rodgers.

Veja também

+ Restaurante japonês que fez festa de swing lança prato chamado “suruba”
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel
+ KTM lança a nova e espetacular 1290 Super Adventure S
+ 7 tendências de design de interiores que vão bombar em 2021
+ Chef revela o segredo de como fazer ovos mexidos cremosos de hotel
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!l
+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ Yamaha se despede da SR 400 após 43 anos de produção