Esportes

Kobe Bryant morou na Itália e era torcedor do Milan

Crédito: AFP

O ex-jogador de basquete Kobe Bryant ganha Oscar de Melhor Curta de Animação por "Dear Basketball" (Crédito: AFP)

O ex-jogador de basquete Kobe Bryant, que morreu neste domingo (26) em um acidente nos Estados Unidos, tinha uma relação muito próxima com a Itália. A lenda do NBA era torcedor declarado do Milan, fã de futebol e viveu no país europeu por seis anos.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

Bryant nasceu na Filadélfia e seu pai, Joe, era jogador profissional de basquete. Após ter passado pelo Philadelphia 76ers, San Diego Clippers e Houston Rockets, ele aceitou uma proposta para defender o Sebastiani Rieti, da Itália.

A família toda de Bryant se mudou por conta de Joe, que além do Rieti, atuou também no Reggio Calabria, no Pistoia e no Reggiana. O ex-craque do Lakers viveu na Itália dos seis aos 12 anos de idade, onde deu seus primeiros passos no basquete, além de também ter criado um vínculo muito forte com o Milan no período que passou no país da bota.

Em 2013, já um atleta consagrado na NBA, Bryant retornou para a Itália e visitou o centro de treinamento do Milan. Na época, o astro do Lakers estava se tratando de uma lesão no tornozelo.

“Quando eu era pequeno, via Gullit, Rijkaard, Van Basten, Maldini. Sempre foi meu time favorito. Em Los Angeles, eu tenho um cachecol do Milan e uma camiseta pendurados no meu armárrio no vestiário”, disse Bryant em uma entrevista à TV Milan.

O clube rossonero lamentou a morte do seu ilustre torcedor em uma mensagem nas suas redes sociais.

“Não temos palavras para expressar como estamos chocados ao ouvir o trágico falecimento de um dos maiores esportistas de todos os tempos e fã rossonero, Kobe Bryant. Todos os nossos pensamentos estão com as famílias das pessoas afetadas por este trágico acidente. Você fará falta para sempre, Kobe”, escreveu o clube italiano.

Antes de se consagrar no basquete, Bryant já admitiu ter também jogado bastante futebol na infância. Eu não era nada espetacular. Eu tinha momentos em que fazia coisas loucas que realmente não eram de propósito. Eu fazia uma grande jogada sem intenção. Eu fico confortável com a movimentação dos pés do basquete porque eu joguei futebol.

Trocar de ritmo e de velocidade, ficar confortável com meu pé direito como apoio, ou com meu pé esquerdo como apoio”, afirmou Bryant em entrevista ao jornal “Chicago Tribune”.(ANSA)

Veja também

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea