Comportamento

Justiça mexicana invalida norma sobre objeção de consciência que limita abortos

Justiça mexicana invalida norma sobre objeção de consciência que limita abortos

(Jul/2020) Ativistas católicos contrários ao aborto rezam durante protesto em frente à Suprema Corte do México, na capital do país - AFP/Arquivos


A Suprema Corte do México reconheceu nesta segunda-feira o direito dos médicos à objeção de consciência, mas analisa opções legais para que o mesmo não interfira no direito das mexicanas ao aborto.

A mais alta corte declarou inválido um artigo da lei geral de saúde que consagrava a objeção de consciência, por considerar que o mesmo é impreciso e afeta os direitos dos pacientes, em especial das mulheres e gestantes. A decisão teve oito votos a favor dos 11 juízes.

A norma invalidada era “um cheque em branco para negar serviços de saúde, principalmente em caso de aborto, contrariando outros direitos humanos que a Constituição reconhece”, disse o juiz presidente, Arturo Zaldívar, durante o debate.

Em dias anteriores, a Suprema Corte declarou inconstitucionais leis estaduais que puniam o aborto com prisão e que consagravam a proteção à vida desde o momento da concepção, com o que a interrupção da gravidez era equiparada a um homicídio.

Essas decisões são consideradas históricas, uma vez que, por terem sido aprovadas por oito votos, criam jurisprudência e permitirão às mulheres, por meio de recurso legal, o acesso a um aborto seguro nos estados onde ele ainda é punido.

“O plenário determinou que a lei não estabelecia as diretrizes e limites necessários para que a objeção de consciência pudesse ser exercida sem colocar em risco os direitos humanos de outras pessoas, especialmente o direito à saúde”, diz um comunicado do tribunal máximo.

Os 11 magistrados irão se reunir novamente hoje para definir as diretrizes mínimas para o exercício da objeção de consciência entre os médicos.

O aborto foi descriminalizado até 12 semanas de gestação na Cidade do México e nos estados de Oaxaca (sul), Veracruz (leste) e Hidalgo (centro). Entre os países latinos, a prática é legalizada em Uruguai, Cuba, Argentina e Guiana.

Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio