Mundo

Justiça francesa determina julgamento da Air France e Airbus por acidente do voo Rio-Paris

Justiça francesa determina julgamento da Air France e Airbus por acidente do voo Rio-Paris

Mergulhadores recuperam parte do avião A330 da Air France que caiu no Oceano Atlântico em 1º de junho de 2009 durante o voo Rio de Janeiro-Paris - BRAZILIAN NAVY/AFP/Arquivos


O Tribunal de Apelação de Paris ordenou nesta quarta-feira (12) que as empresas Air France e Airbus sejam julgadas por “homicídio culposo” por sua responsabilidade indireta no acidente de 2009 do voo Rio-Paris, no qual morreram 228 pessoas.

A decisão, que era solicitada pela Procuradoria-Geral e as famílias das vítimas, invalida o arquivamento anunciado em 2019 a favor da companhia aérea franco-holandesa e da fabricante europeia de aviões ao final das investigações.

Os advogados da Airbus anunciaram de maneira imediata que pretendem recorrer ao Tribunal Supremo e denunciaram uma “decisão injustificável”.

“A Air France nega ter cometido uma falha penal que tenha provocado este acidente terrível”, declarou o advogado da companhia aérea, Francois Saint-Pierre.

Os parentes das vítimas receberam a notícia com emoção.

“É uma grande satisfação ter a sensação de que finalmente fomos ouvidos pela justiça”, afirmou, emocionada, Danièle Lamy, presidente da associação ‘Entraide et Solidarité AF447’.

+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça

No dia 1º de junho de 2009, um Airbus A330 que viajava entre Rio de Janeiro e Paris caiu no Oceano Atlântico. Todos os passageiros e integrantes da tripulação – 228 pessoas de 34 nacionalidades diferentes – morreram no acidente, o pior da história da companhia aérea francesa.

As caixas-pretas foram encontradas dois anos depois, a quase 4.000 metros de profundidade.

– Uma década de batalha judicial –

Em 2019, após uma década de batalhas entre especialistas e a acusação contra a companhia aérea e a fabricante europeia por “homicídio culposo”, o MP de Paris pediu um julgamento apenas contra a Air France, por considerar que a empresa “cometeu negligência e imprudência” na formação de seus pilotos.

Mas os juízes de instrução não seguiram a recomendação e pronunciaram um arquivamento geral. Para eles, o acidente foi provocado por uma “combinação de elementos que nunca antes havia acontecido e que, portanto, também revelaram perigos nunca antes percebidos”.

As investigações “não levaram à caracterização de uma falha que pode ser atribuída a Airbus ou Air France em relação (…) aos erros de pilotagem (…) na origem do acidente”, avaliaram.

Indignados, os parentes das vítimas e os sindicatos de pilotos apelaram, assim como a Promotoria.

Em apoio às partes civis, a Procuradoria-Geral foi ainda mais longe que as exigências do MP de Paris, do qual é superior, ao solicitar o julgamento não apenas da Air France, mas também da Airbus.

Sem minimizar a “causa direta imputável à tripulação”, a Procuradoria-Geral considera que é necessário buscar as causas indiretas do acidente em erros cometidos pelas duas empresas: os executivos da Air France “não forneceram a formação e as informações necessárias para as tripulações”, enquanto a Airbus “subestimou a gravidade das falhas das sondas de velocidade Pitot” e não atuou de maneira suficiente para corrigir esta falha perigosa.

Nos meses anteriores ao acidente foram registrados vários incidentes do mesmo tipo.

De acordo com as informações dos peritos, o congelamento em voo das sondas de velocidade Pitot provocaram uma perturbação nas medições de velocidade do Airbus A330, o que desorientou os pilotos e eles perderam o controle do avião em menos de quatro minutos.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago