Artigos

Justiça e política voltam a se cruzar com Lula e Temer

Justiça e política voltam a se cruzar com Lula e Temer

(Arquivo) Foto tirada em 22 de fevereiro de 2018 mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em São Paulo - AFP/Arquivos

Os caminhos da Justiça e da política voltam a se cruzar esta semana, com a luta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para se manter em liberdade e as investigações por corrupção do presidente Michel Temer, que tenta manter suas aspirações eleitorais vivas.

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidirá na quarta-feira (4) se aceita um pedido de habeas corpus apresentado pela defesa de Lula – condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro – ao fim dos recursos judiciais em todas as instâncias.

Se o recurso for negado, nada impediria uma eventual prisão de Lula. Se for aceito, contudo, enquanto o caso correr na Justiça, Lula poderia fazer campanha para as eleições de outubro.

O ex-presidente é favorito para o pleito, embora a Justiça Eleitoral possa bloquear sua candidatura, segundo a Lei da Ficha Limpa, devido à condenação em segunda instância.

“Há uma politização da Justiça. O Judiciário se posiciona como um ator político que busca sanear a política pela via externa e cria uma instabilidade”, resumiu à AFP Emerson Cervi, professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

“A expectativa é que as eleições consigam apontar um caminho, uma alternativa, uma saída política e não policial para a crise brasileira”, opinou.

As investigações de corrupção também fizeram os caminhos de Justiça e política no Brasil se encontrarem novamente na semana passada, com a Operação Skala, que prendeu empresários e amigos de Temer.

Após os depoimentos, todos foram liberados, mas analistas avaliam que o estrago à eventual candidatura de Temer já foi feito.

– STF sob pressão –

À medida que se aproxima o dia 4 de abril, a pressão sobre o STF aumenta.

O ex-Procurador Geral da República Rodrigo Janot e o procurador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, assinaram, com outros 5 mil integrantes da Justiça, um pedido para que a Suprema Corte mantenha a jurisprudência que permite prender condenados em segunda instância, como Lula.

Dallagnol afirmou, no Twitter, que esta quarta será “o dia D da luta contra a corrupção na Lava Jato. Uma derrota significará que a maior parte dos corruptos de diferentes partidos, por todo país, jamais serão responsabilizados, na Lava Jato e além. O cenário não é bom”.

Manifestações em defesa de Lula foram convocadas em todo o país para esta semana.

– Tensão no governo –

No governo federal, ministros já começaram a deixar suas pastas para se dedicar às suas candidaturas – para isso, eles precisam sair dos cargos até 7 de abril -, enquanto Temer vive sua crise pessoal.

O escândalo das prisões no seu entorno acontece dez dias depois de ele mudar de postura e assumir a decisão de se candidatar à Presidência.

A investigação poderia ser o início de uma acusação formal contra o presidente, que já foi denunciado duas vezes em 2017 e em ambas foi salvo pela Câmara dos Deputados.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ 10 coisas que os pais fazem em público que envergonham os filhos
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel