Comportamento

Justiça dos EUA autoriza suspensão provisória de abortos por Covid-19

Justiça dos EUA autoriza suspensão provisória de abortos por Covid-19

Defensores do direito ao aborto protestam diante da Suprema Corte dos Estados Unidos, em Washington, em 4 de março de 2020 - AFP


A justiça americana autorizou em segunda instância a decisão do estado do Texas de suspender temporariamente os abortos no âmbito da luta contra o novo coronavírus, revertendo uma decisão tomada no dia anterior por um tribunal federal.

Como muitos de seus colegas, o governador desse estado conservador no sul dos Estados Unidos ordenou o adiamento de intervenções médicas não urgentes para garantir a disponibilidade de leitos hospitalares e equipamentos de proteção para pacientes com Covid-19.

Há oito dias, o procurador-geral do estado, o republicano Ken Paxton, determinou que essa ordem também se aplica a abortos voluntários, exceto em casos de perigo para a vida da paciente.

A violação da ordem será passível de punição com até 180 dias de prisão e multa de US$ 1.000, acrescentou.

Denunciando uma manobra “ideológica”, defensores do direito ao aborto levaram à justiça a decisão do procurador-geral e, na noite de segunda-feira, um juiz federal de Austin bloqueou a decisão de Ken Paxton.


+ Casal posta fotos nus em pontos turísticos e ganha fama na web
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ ‘Raça de víboras’: Andressa Urach critica seguidores que não acreditam em sua fé
+ Mulher morre após ingerir bebida alcoólica e comer 2 ovos



O promotor recorreu da decisão na terça-feira de manhã e, poucas horas depois, um tribunal de apelações decidiu que estava “provisoriamente” suspendendo a realização de abortos “para dar ao tribunal tempo suficiente para examinar” os argumentos das partes.

Em comunicado à imprensa, o promotor Paxton “aplaudiu” a decisão, que, segundo ele, “estabelece as corretas prioridades na distribuição de equipamentos de proteção”. Além do Texas, outros estados conservadores do sul e centro do país consideram o aborto como intervenções “não urgentes” que devem ser proibidas durante a pandemia.

Ações foram ajuizadas em cinco estados e, na segunda-feira à noite, diferentes juízes decidiram contra as autoridades do Texas, assim como de Alabama e Ohio, observando que a Suprema Corte dos Estados Unidos reconheceu em 1973 o direito das mulheres de abortar sem mencionar uma “cláusula” suspensiva no caso de uma emergência de saúde.

Os Estados Unidos têm o maior número de casos de coronavírus, com mais de 177.000 pessoas afetadas. O país já registra mais mortes que a China, ultrapassando 3.400.

Veja também

+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS