Mundo

Juncker: Reino Unido não terá ‘meses para pensar’ após notificar Brexit

Juncker: Reino Unido não terá ‘meses para pensar’ após notificar Brexit

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, em Bruxelas, no dia 28 de junho de 2016 - AFP

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, destacou nesta terça-feira que o Reino Unido “não terá meses para pensar” após notificar o Brexit, em declaração ao final da primeira jornada do Conselho Europeu em Bruxelas.

“Posso entender que [o premier britânico] David Cameron precise de tempo”, mas “queremos que o artigo 50 [que rege o processo de ruptura com a UE] se ative o mais cedo possível”. “Não temos meses para meditar, devemos agir”.

“Se você quer sair [da UE], é preciso ter um plano, um projeto”, disse Juncker, que pediu ao próximo premier britânico que notifique “o quanto antes” a decisão do Reino Unido de abandonar o bloco, para poder iniciar logo as negociações do divórcio.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, explicou que os chefes de Estado e de Governo “compreenderam que é necessário um pouco de tempo para que regresse a calma”.

O premier britânico, David Cameron, revelou que não se arrepende por ter organizado o referendo que decidiu pela saída do Reino Unido do Bloco. “É claro que lamento o resultado, mas não lamento ter organizado o referendo, era o que deveria fazer”.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Durante o Conselho, Cameron pediu a seus pares que analisem uma reforma na liberdade de trânsito de pessoas no Bloco. “A chave para nos mantermos próximos é, realmente, analisar uma reforma da liberdade de trânsito”.

No jantar consagrado ao Brexit, Cameron reafirmou seu desejo de que o Reino Unido e a UE tenham “uma relação econômica a mais próxima possível”.

O presidente francês, François Hollande, avaliou que quem “quer ficar [no Bloco] deve pagar o preço, inclusive sobre a liberdade de trânsito”.

Ou aceita “as 4 liberdades ou nenhuma”, disse Hollande, em referência ao livre trânsito de bens, serviços, capitais e pessoas.

O Reino Unido rejeita a livre circulação de pessoas, um dos temas-chave da campanha do referendo.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel