Geral

Jovem morre baleado no Jacarezinho, na zona norte do Rio; moradores acusam PM


Jonathan Ribeiro de Almeida, de 18 anos, morreu após ser atingido por um tiro no peito na comunidade do Jacarezinho, na zona norte do Rio, na noite desta segunda-feira, 25. A família do jovem acusa policiais militares de serem responsáveis pelo disparo. A Corregedoria da PM informou que investiga o caso.

“Mataram meu filho de 18 anos no meio da rua”, afirmou, chorando, a auxiliar de serviços gerais Monique Ribeiro dos Santos, de 35 anos, em entrevista à TV Globo. “Não teve troca de tiro. Meu filho não é traficante, não deve nada a eles. Deixou um filho de quatro meses. Era honesto, trabalhava vendendo roupa. Executaram o meu filho no meio da rua. Mataram e foram embora. Os moradores testemunharam. O que eu quero é justiça, justiça pela morte do meu filho. Não quero que outras mães passem pelo que eu estou passando”, disse ela.

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra como Almeida, depois de ferido, foi socorrido por moradores e levado em uma motocicleta para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Manguinhos. Quando chegou lá, já estava morto. Segundo moradores da comunidade, a PM não socorreu o jovem depois de ferido. Logo depois que o óbito foi confirmado, moradores protestaram na Avenida Dom Hélder Câmara, ateando fogo em caixas de papelão e montando barricadas.

O ativista social da comunidade Diego Aguiar disse, em uma rede social, que testemunhou o crime. Ainda na noite de segunda-feira, ele publicou imagens que supostamente mostram a tentativa de socorro à vítima e escreveu:

“Deram um tiro no Jonathan na minha frente. O moleque não estava com nada. Eles deram um tiro e saíram correndo. Meu Deus, mano! O que a política está fazendo com meu povo? Não aguento mais, mano. Não aguento mais. Só querem nos matar, mano.”

Em nota, a PM informou que equipes do Batalhão de Choque participaram de uma ocorrência no Jacarezinho, na qual um homem foi ferido. Segundo a nota, os policiais não puderam prestar socorro a Jonathan por causa da reação de um grupo de moradores “que arremessaram pedras e garrafas em direção aos agentes”.

A PM informou ainda que foi encontrada “certa quantidade de drogas e uma réplica de arma de fogo”. Ainda segundo a nota, as equipes comunicaram a ocorrência de imediato à Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), que já teria feito perícia no local. Paralelamente, o comando da PM determinou a apuração do ocorrido pela Corregedoria Geral da PM. As armas usadas na ocorrência já estariam à disposição da perícia.

O Programa Cidade Integrada, uma bandeira do governador Cláudio Castro (PL) na área de segurança pública, foi iniciado no Jacarezinho em janeiro deste ano. PMs atuam permanentemente na região.