Um jornalista guatemalteco crítico ao governo do ex-presidente Alejandro Giammattei e preso desde 2022 rejeitou as acusações de lavagem de dinheiro feitas contra ele e disse ter sido submetido a “tortura”, ao se apresentar, nesta quarta-feira (21), a uma audiência que acabou sendo suspensa.

“Tenho evidência e documentação onde fica claro e evidente que não há nenhum caso, que não existe, não faz sentido, e acho que deveriam me libertar”, disse José Rubén Zamora à imprensa ao chegar, algemado, aos tribunais da capital.

As acusações “carecem de base e sustentação”, insistiu o jornalista de 67 anos, antes de se apresentar perante o juiz que deve decidir se ele irá a julgamento por um segundo caso aberto pelo Ministério Público por supostamente dificultar uma investigação sobre lavagem de dinheiro.

O juiz Jimi Bremer, encarregado do caso e sancionado em 2023 pelos Estados Unidos por corrupção, suspendeu pela terceira vez a audiência devido à ausência, por motivo de saúde, da promotora encarregada. A audiência foi reagendada para 20 de março.

Os processos contra Zamora, iniciados durante o governo anterior, têm sido criticados por organizações internacionais de imprensa como uma tentativa de silenciá-lo. Além disso, os encarregados do MP guatemalteco e alguns juízes, como Bremer, são considerados “corruptos” por Estados Unidos e União Europeia.

“Há realismo mágico judicial”, ironizou Zamora, que afirmou que Bremer e outros juízes mostram “subordinação incondicional” à questionada procuradora-geral Consuelo Porras, sancionada por Washington em 2021.

Fundador do extinto jornal El Periódico, Zamora foi detido em 29 de julho de 2022, acusado de lavagem de dinheiro. Ele atribuiu o processo a represálias por suas publicações sobre corrupção no governo do então presidente de direita Alejandro Giammattei (2020-2024).

O jornal que ele fundou em 1996 deixou de ser publicado em maio de 2023, quando ele estava preso havia quase 10 meses. O El Periódico recebeu vários prêmios, entre eles o de Mídia de Destaque dos Prêmios Internacionais de Jornalismo Rei de Espanha em 2021.

Em 14 de julho de 2023, em um julgamento polêmico criticado pela comunidade internacional, o jornalista foi condenado a seis anos de prisão por lavagem de dinheiro, mas foi absolvido das acusações de tráfico de influência e chantagem.

A sentença foi anulada quatro meses depois por uma corte de apelações, que ordenou repetir o julgamento. No entanto, ainda não há data prevista devido a recursos pendentes.