ISTOÉ Gente

James Franco fecha acordo de R$ 10 milhões em caso de assédio

Crédito: Reprodução/Instagram

James Franco concordou em pagar mais de R$ 10 milhões para encerrar um processo de assédio sexual. Na ação, o ator, que era professor na agora extinta escola de atuação Studio 4, foi acusado de pressionar alunas a atuarem em cenas de sexo excessivamente explícitas. Todo o material teria sido gravado por James.

A proposta ainda será submetida à aprovação de um juiz em Los Angeles. Sarah Tither-Kaplan e Toni Gaal, duas ex-alunas do curso de Franco, entraram com a ação em outubro de 2020. Na ação coletiva, os estudantes do ator alegaram que foram vítimas de fraude. As alunas receberão R$ 2,9 milhões e, seus advogados receberão cerca de R$ 1,5 milhão em honorários. Os outros estudantes receberão quase dois terços do valor restante, cerca de R$ 6,6 milhões.


Com o acordo, Tither-Kaplan, Gaal e os outros estudantes devem retirar as acusações contra o ator. Caso parte do dinheiro não seja reclamada, será doada ao National Women’s Law Center, uma organização sem fins lucrativos que defende os direitos das mulheres por meio de ações judiciais e iniciativas políticas.

As partes também concordaram com uma declaração no acordo. Um trecho retirado do documento diz: “Embora os réus continuem a negar as alegações na queixa, eles reconhecem que os requerentes levantaram questões importantes; e todas as partes acreditam firmemente que agora é um momento crítico para se concentrar em lidar com os maus-tratos às mulheres em Hollywood. Todos concordam com a necessidade de garantir que ninguém na indústria do entretenimento – independentemente de raça, religião, deficiência, etnia, origem, gênero ou orientação sexual – enfrente discriminação, assédio ou preconceito de qualquer tipo.”