Edição nº2551 09/11 Ver edições anteriores

Jair nosso de cada dia

Pronto, passou.

Estamos todos mais calmos agora que finalmente temos um novo presidente, não é verdade?

Não importa em quem você votou, Bolsonaro é uma conquista de ambos os lados do Brasil polarizado.

De um lado, seus eleitores se sentem vitoriosos, muitos com a alma lavada por terem expurgado o PT.

É certo que ficarão decepcionados quando se derem conta que o PT ainda tem 55 deputados para infernizar a vida do nosso presidente.

Mas 51 milhões de brasileiros que o elegeram seguramente darão a Bolsonaro um salvo-conduto sem críticas por algum período, antes de começarem a reclamar porque, não se engane, todo político sempre arruma um jeito de nos decepcionar.

A trégua virá porque o fanatismo das semanas finais foi tão grande — de ambos os lados — que mesmo que o governo seja uma droga desde o primeiro dia, nenhum eleitor terá coragem de botar a cara a tapa nas redes sociais.

A eleição para bolsominions, portanto, é só sucesso.

Mas os petralhas também podem festejar.

Porque com Bolsonaro no Jaburu, o PT vai poder voltar a fazer o que faz melhor: oposição.

Alias, o PT é tão bom, mas tão bom na oposição, que consegue se opor até a sua própria candidatura.

Primeiro foi Haddad visitando Lula, depois, o lamentável comentário de Zé Dirceu dizendo que vão tomar o poder e, como se não bastasse, na véspera da eleição, Gleisi Hoffmann afirmou que o PT venceria e daria um presente aos brasileiros: a liberdade de Lula.

Sério.

Quem tem esses cabos eleitorais não precisa de oponente.

Então todo mundo se deu bem, viva o novo rei, fogos e tiros para o alto.

Mas se mesmo assim você está preocupado com o futuro da Nação, só resta uma coisa a fazer: rezar.

Pensando nisso, preparei aqui uma singela oração.

Coloque um copo de água em cima da revista e seja o que deus quiser.

Jair nosso cheio de graças
Vós que subiste a Brasília no primeiro dia
Bendito sois vós entre os héteros
Seja feita sua vontade nas maiorias e minorias
Afastai de nós o cálice vermelho do mal
Fechai os congressos em nome do senhor
Vos que trazei Messias no nome,
Guia-nos pelos caminhos tortuosos da Amazônia,
Especialmente nas estradas que vós asfaltarás
Ajuda a desmatar nosso caminho
Dai lucro as ONGs para que esses ociosos
Não nos atormentem
Afastai-nos da arte imoral
E afaste dos herdeiros da Lei Rouanet
Nos dai armas para nos proteger
Agora e na hora do assalto
Rezai pelos filhos homens
e para não fraquejar jamais
Catequizai os silvícolas
Botai-os para trabalhar e conquistai os minérios
de suas terras dantes demarcadas.
Louvado seja o vosso nome nas escolas militares
Que todos se levantem e entoem hinos de louvor à pátria
Trazei a disciplina de volta
Moralizai. Disciplinai e Torturai os pecadores
Castrai os que nos usurpam
Dai emprego aos que não tem
Quilombolas também
Poupai apenas as mulheres porque engravidam
Venha a nós os liberais, seja feita a vontade do
apóstolo Paulo
Privatizai até o Banco do Brasil
Abre nossas portas mas protege nossas fronteiras
de alienígenas
Expulsai de seu reino os que se amem em público
E não nos deixeis cair em tentação
Principalmente se for do mesmo gênero
Em nome do Pai, dos Filhos, Espíritos de porco,
Amém.

Não importa em quem você votou, Bolsonaro é uma conquista de ambos os lados do Brasil polarizado


Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.