Jair Bolsonaro: o Motoqueiro Fantasma a serviço da peste

Crédito: Reprodução/YouTube

(Crédito: Reprodução/YouTube)

Não deixa de ser curioso o nome da ‘motociata’ deste sábado (12) ocorrida em São Paulo e patrocinada pelo verdugo do Planalto: “Acelera para Cristo”. Didi Mocó Sonrisal Colesterol Novalgino Mufumbo diria: “cuma?”. Cristo? Milhares de irresponsáveis se aglomerando e espalhando o novo coronavírus jamais seria obra Dele.

Ghost Rider (Motoqueiro Fantasma) é um anti-herói do bem. Renascido do fogo do inferno, retorna à Terra para combater o mal. Já o amigão do Queiroz (aquele miliciano que entupiu a conta da primeira-dama com 90 mil reais em ‘micheques’) é o próprio demônio encarnado. Sua missão é destruir, ofender, promover o ódio e a discórdia e, claro, espalhar vírus e causar mortes.


Em culto a si mesmo e à sua personalidade macabra, o devoto da cloroquina sequestra a imagem de Cristo e usurpa o cristianismo em causa própria. O rolê jamais foi para o mais pródigo dos filhos de Deus; bobagem. Foi para o líder da seita fanática, que trajava uma camisa com sua própria foto e um elmo com seu próprio nome.

Bolsonaro é tão lunático e tão psicopata, que não me surpreenderia a equiparação a Cristo. Lula, o meliante de São Bernardo, certa feita se comparou a Deus. Essa espécie de gente acaba acreditando naquilo que seus devotos lhes oferecem, ou seja, a divindade sob forma humana (eu disse humana?). Mas, no final do dia, se deparam com a mediocridade e finitude que a imagem carcomida do espelho lhes atira nas caras desavergonhadas.






Sobre o autor

Ricardo Kertzman é blogueiro, colunista e contestador por natureza. Reza a lenda que, ao nascer, antes mesmo de chorar, reclamou do hospital, brigou com o obstetra e discutiu com a mãe. Seu temperamento impulsivo só não é maior que seu imenso bom coração.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.