Brasil

Bolsonaro é processado por ofensas de conotação sexual à repórter Patrícia Campos Mello

Crédito: Reprodução redes sociais

A jornalista Patrícia Campos Mello entrou na Justiça estadual de São Paulo contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A ação pede indenização por danos morais por ofensas de cunho sexual do presidente à repórter.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

Além de Bolsonaro, Hans River do Rio Nascimento, ex funcionário de uma agência de disparos em massa, e Allan dos Santos, apresentador do canal online Terça Livre, também serão acionados pela Justiça, conforme divulgado pela Folha de S. Paulo.

O motivo das ações foram os ataques sofridos pela repórter após o depoimento de Hans, no Congresso, à CPMI das Fake News, no último dia 11 de fevereiro.

Como as ofensas começaram?

Primeiro, River insultou Patrícia Campos Mello e deu informações falsas durante a oitiva.

“Quando eu cheguei na Folha de S.Paulo, quando ela [repórter] escutou a negativa, o distrato que eu dei e deixei claro que não fazia parte do meu interesse, a pessoa querer um determinado tipo de matéria a troco de sexo, que não era a minha intenção, que a minha intenção era ser ouvido a respeito do meu livro, entendeu?”, afirmou Hans a deputados e senadores, em sessão com transmissão ao vivo da TV Senado.

Nas Redes sociais e no Congresso, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), também utilizou as falas do Hans para atacar Patrícia.

“Eu não duvido que a senhora Patrícia Campos Mello, jornalista da Folha, possa ter se insinuado sexualmente, como disse o senhor Hans, em troca de informações para tentar prejudicar a campanha do presidente Jair Bolsonaro. Ou seja, é o que a Dilma Rousseff falava: fazer o diabo pelo poder”, disse Eduardo.

Após a repercussão do depoimento do ex-funcionário da Yacows, o presidente Jair Bolsonaro ao comentar o caso em entrevista também fez insinuações contra a repórter.

“Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo [risos dele e dos demais]”, disse o presidente, em entrevista diante de um grupo de simpatizantes em frente ao Palácio da Alvorada. Após uma pausa durante os risos, Bolsonaro concluiu: “A qualquer preço contra mim”.

De acordo com a petição inicial do processo, o programa Terça Livre, apresentado por Allan, no último dia 12 de fevereiro, teve como título “O Prostíbulo em Desespero” e espalhou novas informações falsas sobre o acontecimento envolvendo River.

Ao todo, são três ações movidas por Patrícia Campos Mello na Justiça. Contra Hans e Bolsonaro, o pedido de indenização é de R$ 50 mil. Já no processo contra o apresentador Allan e também a pessoa jurídica Terça Livre, o pedido é de R$ 100 mil.

Veja também

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Ex-BBB Marcela McGowan faz tatuagem com Boca Rosa e não lembra no dia seguinte

+ Jovem é picado no pênis por cobra píton enquanto estava no banheiro

+ Mercedes-Benz promete um caminhão a hidrogênio com alcance de 1.000 km em 2023

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea