Economia

Itaú: novo ambiente do cubo terá capacidade quatro vezes maior


O Itaú Unibanco e a Redpoint eventures anunciaram nesta quarta-feira, 23, a ampliação do Cubo, centro de empreendedorismo, que vai mudar para um espaço quatro vezes maior, em São Paulo. O novo local, que será lançado no primeiro semestre do ano que vem, de acordo com o diretor executivo do Itaú, Ricardo Guerra, terá capacidade para 210 startups residentes contra 52 que atuam no espaço atualmente, que completa dois anos em setembro.

“O Cubo cresceu e precisa de um espaço maior do que tem hoje para trazer mais empresas e pessoas que estão de fora. Há uma demanda reprimida”, explicou Guerra, destacando que a missão é consolidar São Paulo como um hub global de empreendedorismo e inovação.

O novo ambiente contará com quase 21 mil metros quadrados em comparação com pouco mais de 5 mil metros quadrados do local atual. Serão 1.250 pessoas residentes ante 250 e a expectativa para o número de pessoas circulando diariamente é de duas mil ante 650 pessoas.

Concorrência

Sobre o anúncio do Bradesco, que também está criando um espaço de empreendedorismo e co-inovação, ter pesado na decisão do Itaú e Redpoint de ampliarem o Cubo, Guerra reforçou que esse caminho foi estabelecido em março último, quando o espaço completou 18 meses, ciclo médio de uma empresa startup, e que não poderia comentar sobre o espaço do concorrente porque não tem conhecimento a respeito. “O Bradesco é um concorrente, mas nossos centros de empreendedorismo, não. Há modelos similares e diferentes. O Cubo é um modelo de plataforma aberta”, explicou o diretor do Itaú, acrescentando que o aluguel do novo ambiente foi negociado há meses.


+ Mulher é presa por não devolver R$ 6,8 milhões que recebeu por engano
+ Família de Schumacher coloca mansão à venda por R$ 400 milhões
+ Pentágono confirma que vídeo com OVNIs em forma de pirâmide é autêntico



O Bradesco deve lançar seu espaço de empreendedorismo no final deste ano. O ambiente terá dez andares, com mil metros quadrados cada. Quem também estuda a possibilidade de ter seu próprio centro, conforme antecipou o Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado), é o Banco do Brasil, que cogita espaços menores e compartilhados.

O Itaú não abre o investimento feito no “novo” Cubo e, conforme Guerra, não espera retorno financeiro uma vez que a iniciativa é sem fins lucrativos. Cada usuário paga cerca de R$ 1 mil de aluguel mensal para usar as dependências do Cubo.

Segundo o diretor do Itaú, o objetivo do Banco é contribuir para o avanço do empreendedorismo e estar à frente de iniciativas de inovação que impactem o seu dia a dia, o seu modelo de negócios, principalmente, diante da revolução tecnológica que atinge o setor bancário. “Queremos ser competitivos no mundo digital”, acrescentou.

Nos dois anos de Cubo, as startups receberam mais de R$ 100 milhões em investimentos e o número de empresas iniciantes interessadas passou de 850. Na nova versão, o critério de seleção das startups será mantido. O Itaú e a Redpoint seguem como sócios do espaço, mas negociam parcerias com grandes empresas para atuarem como parceiros.

O novo espaço do Cubo continuará na região da Vila Olímpia, em São Paulo, na Alameda Vincente Pinzon, 54.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS