Mundo

Itália veta desembarque de 67 pessoas salvas no Mediterrâneo

INNSBRUCK E ROMA, 12 JUL (ANSA) – O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, impediu 67 deslocados externos a bordo de um navio da Guarda Costeira do país de descerem no porto de Trapani, na Sicília, onde a embarcação está atracada desde o início da tarde desta quinta-feira (12).   

Os migrantes forçados foram resgatados no Mar Mediterrâneo por um rebocador privado de bandeira italiana, o Vos Thalassa, mas acabaram transferidos para o navio Diciotti após denúncias de ameaças de morte contra a tripulação.   

“Eu não estou brincando. Enquanto não for esclarecido o que ocorreu, não autorizo ninguém a descer do Diciotti. Se alguém o fizer em meu lugar, assumirá a responsabilidade”, afirmou Salvini, cujo ministério controla as forças de segurança da Itália.   

O recado foi direcionado ao ministro dos Transportes Danilo Toninelli, a quem as autoridades portuárias devem subordinação.   

Salvini é secretário da ultranacionalista Liga, enquanto Toninelli é expoente do antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), os dois partidos que governam a Itália desde 1º de junho.   

“Ou os armadores [do Von Thalassa] mentiram ao denunciar agressões que não aconteceram, ou então houve agressão e os responsáveis devem pagar”, acrescentou Salvini. Segundo o Ministério Público de Trapani, dois deslocados externos estão sob investigação, o sudanês Ibrahim Bushara e o ganense Hamid Ibrahim.   

Eles são suspeitos de violência “contínua e agravada” contra a tripulação do rebocador. Não há inquéritos contra nenhuma das outras 65 pessoas que estão a bordo do Diciotti, a maioria delas do Paquistão (23), do Sudão (12), da Líbia (10) e da Palestina (sete). Também há migrantes de Marrocos, Argélia, Bangladesh, Chade, Egito, Gana, Nepal e Iêmen.   

O caso está sendo acompanhado “com atenção” pelo presidente da República, Sergio Mattarella, que é defensor do acolhimento. Já as ONGs e entidades que operam no porto de Trapani, como Médicos Sem Fronteiras (MSF), Save The Children, Unicef e Organização Internacional para as Migrações (OIM), cobram o desembarque “urgente” dos passageiros do Diciotti.   

Um médico subiu a bordo e afirmou que não há, por enquanto, nenhuma emergência sanitária. Salvini, no entanto, disse que não tem “nenhuma pressa” para permitir o desembarque. O ministro do Interior é o artífice do endurecimento das políticas migratórias da Itália, que fechou seus portos para navios de ONGs e quer que as pessoas resgatadas no mar sejam devolvidas à Líbia.   

Na primeira metade de 2018, segundo o próprio governo italiano, o número de deslocados externos que chegam nos portos do país caiu mais de 80%. (ANSA)