Mundo

‘Itália não precisa se agitar’, diz Áustria sobre cidadania

ROMA, 18 SET (ANSA) – O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, recebeu nesta terça-feira (18) o chanceler da Áustria, Sebastian Kurz, e afirmou que seu governo tem uma “posição clara” contra a concessão de cidadania austríaca para italianos de língua alemã da província autônoma de Bolzano-Alto Ádige.   

A reunião aconteceu um dia depois de o ministro italiano das Relações Exteriores, Enzo Moavero, ter cancelado uma visita a Viena por causa da insistência de Kurz no projeto, que foi apresentado pela legenda de extrema direita Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ), integrante da base aliada.   

“Tive ocasião de exprimir a Kurz que a Itália tem uma posição clara sobre os passaportes e a dupla cidadania”, afirmou Conte.   

O chanceler, por sua vez, buscou contemporizar e, ainda antes do encontro, disse que a Itália “não tem razão para se agitar”.   

“Muitos tiroleses do sul querem o duplo passaporte, que é previsto no programa do governo. Sempre deixamos claro que agiremos de acordo com Roma”, garantiu.   

Entenda – A proposta foi apresentada em dezembro passado, mas provocou reações na Itália, que teme o renascimento de sentimentos separatistas no Alto Ádige.   

A ideia é que cidadãos da província que se autodeclarem alemães ou ladinos no formulário de pertencimento linguístico possam obter a cidadania austríaca. Com isso, eles teriam a possibilidade até de se alistar no Exército da Áustria.   

Bolzano é a única divisão administrativa da Itália onde os que têm o italiano como língua materna são minoria (aproximadamente um terço dos moradores). Ela faz parte da região de Trentino-Alto Ádige e pertencia ao Império Austro-Húngaro, mas foi cedida ao Reino da Itália após a Primeira Guerra Mundial.   

Nos anos do fascismo, Benito Mussolini tentou “italianizar” Bolzano à força, mas sem sucesso. Atualmente, a província goza de ampla autonomia em relação a Roma, porém abriga pequenos movimentos que defendem sua anexação pela Áustria. (ANSA)