Mundo

Irmã de Kim Jong-un afirma que outra reunião com EUA “não é necessária”

Irmã de Kim Jong-un afirma que outra reunião com EUA “não é necessária”

Kim Yo Jong, a influente assessora do irmão, o líder norte-coreano Kim Jong Un - POOL/AFP/Arquivos

Kim Yo Jong, a influente irmã do líder norte-coreano Kim Jong Un disse nesta sexta-feira que outra reunião de cúpula com os Estados Unidos “não é necessária”, exceto se Washington apresentar uma “mudança decisiva” de atitude.

Kim e o presidente americano, Donald Trump, se reuniram pela primeira vez em Singapura há dois anos, mas as negociações sobre o arsenal nuclear de Pyongyang estão paralisadas desde o fracasso do segundo encontro, em Hanói, no início de 2019, provocado pela falta de concessões da Coreia do Norte a respeito de seu programa nuclear em troca de uma flexibilização das sanções.

Trump disse esta semana que voltaria a reunir-se com Kim se “pensasse que poderia ajudar”, depois dos boatos sobre um terceiro encontro, que seria parte das tentativas do presidente americano de fortalecer sua popularidade para as eleições de novembro.

Mas em um comunicado divulgado pela agência estatal de notícias da Coreia do Norte, Kim Yo Jong, que se tornou uma das assessoras mais influentes do irmão, afirma: “Não precisamos sentar com os Estados Unidos neste momento”.

Se uma reunião fosse organizada, disse, “é óbvio que será apenas usada como uma vanglória chata procedente do orgulho de alguém”.

+ Briga de vizinhos termina com personal trainer morta a facadas no interior de SP

A desnuclearização, acrescentou, “não é possível no momento” e apenas poderia acontecer se do outro lado acontecessem “medidas importantes simultâneas e irreversíveis”, que não se referem, ela enfatizou, à suspensão das sanções.

Kim Yo Jong não entrou em detalhes, mas Washington mantém 28.500 soldados no Sul da península para defender o território de seu vizinho e tem uma presença militar no Japão e na região do Pacífico.

Pyongyang insiste que precisa de seu arsenal como forma de dissuasão ante uma possível invasão americana.

De acordo com Kim Yo Jong, o comunicado é uma opinião pessoal, mas a longa declaração parece desejar enviar diversas mensagens.

Ela disse que assistiu as celebrações do Dia da Independência dos Estados Unidos, em 4 de julho, na televisão e que seu irmão de uma “permissão para que obtenha o DVD das celebrações… no futuro”.

O líder norte-coreano “me confiou transmitir seus desejos ao presidente Trump de que ele certamente alcançará grandes sucessos em seu trabalho”, acrescentou.

Kim Jong Un declarou em dezembro o fim da moratória dos testes nucleares e balísticos. Pyongyang afirma que não deseja prosseguir com as negociações, exceto se Washington abandonar o que considera uma política “hostil” a respeito da Coreia do Norte.

Veja também

+ Avó de Michelle Bolsonaro morre após 1 mês internada com covid-19

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?