Economia

IPC-S sobe 0,94% em novembro e tem maior variação mensal desde junho de 2018

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu 0,94% no fechamento de novembro, informou nesta terça-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV). A inflação acelerou tanto na comparação com o fechamento de outubro, quando foi de 0,65%, quanto frente à última leitura, da terceira quadrissemana de novembro, de 0,77%.

A inflação medida pelo IPC-S de novembro superou o teto das estimativas do mercado apuradas pelo Projeções Broadcast, de 0,90%. A mediana da pesquisa era de 0,87% e o piso, de 0,73%.

A alta de 0,94% também foi a maior inflação mensal desde junho de 2018, quando o índice havia subido 1,19%.

O IPC-S acumula alta de 4,06% em 2020 e de 4,86% em 12 meses.

Na comparação com a terceira quadrissemana, seis das oito classes de despesa que compõem o índice tiveram aceleração. A maior contribuição sobre o IPC-S cheio partiu do grupo Educação, Leitura e Recreação, que acelerou de 1,79% para 3,0%, puxado pelo encarecimento das passagens aéreas (14,07% para 24,19%).


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Também houve acréscimo nas taxas de Alimentação (1,69% para 1,88%), com carnes e peixes industrializados (1,84% para 2,38%); Habitação (0,23% para 0,33%), puxada por tarifa de eletricidade residencial (-0,14% para 0,16%); Comunicação (0,09% para 0,14%), devido a combo de telefonia, internet e TV por assinatura (0,19% para 0,29%); Despesas Diversas (-0,01% para 0,09%), com serviços bancários (0,13% para 0,25%); e Saúde e Cuidados Pessoais (0,17% para 0,18%), puxada por medicamentos em geral (0,20% para 0,37%).

Na outra ponta, dois grupos perderam tração: Vestuário (0,29% para 0,04%), puxado pela desaceleração de roupas (0,32% para 0,01%); e Transportes (0,94% para 0,93%), com alívio nos custos de serviço de reparo em automóvel (0,36% para 0,13%).

Influências individuais

As principais influências para cima sobre o IPC-S de novembro partiram de gasolina (estável em 1,99%), batata inglesa (33,33% para 31,72%), tomate (21,70% para 18,63%) e etanol (7,95% para 7,46%), além da passagem aérea. Em contrapartida, ajudaram a conter a aceleração do índice o leite longa vida (-2,52% para -1,74%), manga (-14,79% para -15,36%), limão (-19,63% para -24,07%), cebola (-10,94% para -4,65%) e creme dental (-0,71% para -2,17%).

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Carla Perez fala sobre vida nos EUA: “Aqui é vida normal”
+ Denise Dias faz seguro do bumbum: “Meu patrimônio”
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

Tópicos

FGV IPC-S novembro