Agronegócio

INTL FCStone eleva previsão de produção de milho na safrinha

São Paulo, 1 – A consultoria INTL FCStone elevou as suas previsões de produção de milho tanto na primeira como na segunda safra do Brasil em 2018/19. Para a safra de verão, a FCStone fez apenas um leve ajuste na projeção de colheita, de 27,992 milhões de toneladas para 27,995 milhões de toneladas. Segundo a consultoria, houve corte na estimativa de produção no Maranhão e Piauí, compensado por um pequeno aumento no Paraná.

Para a segunda safra, a FCStone aumentou a previsão de 65,843 milhões de toneladas para 66,391 milhões de toneladas.

A consultoria citou a produtividade maior no Paraná, que passou de 5,56 para 5,8 toneladas por hectare.

“Com esse aumento da perspectiva de produção da segunda safra e uma estabilidade do número da safra de verão, a produção total de milho no ciclo 2018/19 está estimada em 94,4 milhões de toneladas, volume que, se confirmado, representará uma forte recuperação em relação ao ano passado”, disse a analista Ana Luiza Lodi, em nota. A produção do País em 2017/18 foi de 80,8 milhões de toneladas.

A projeção de exportação foi mantida em 32 milhões de toneladas.

Veja também

+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ Maria Zilda relembra como soube que Ary Fontoura era gay: “A coisa mais incrível que já ouvi”
+ Rafa Kalimann ensina receita de palha italiana; veja o vídeo
+ Juliana Caetano, do Bonde do Forró, fala sobre proposta de 500 mil reais que recebeu
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior