Tecnologia & Meio ambiente

Interpol relata aumento de ciberataques que ‘exploram medo’ na pandemia

Interpol relata aumento de ciberataques que ‘exploram medo’ na pandemia

Interpol alerta para aumento de ciberataques - AFP/Arquivos

A pandemia da COVID-19 favoreceu o aumento de ataques cibernéticos em 50 países, com cada vez mais instituições de saúde e governos sendo afetados – alertou a Interpol nesta terça-feira (4).

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

No período de janeiro a abril, a organização internacional de cooperação policial detectou quase 907.000 spams, 737 incidentes relacionados a “malware” e 48.000 links para sites perigosos, todos “vinculados ao coronavírus”.

Os dados foram coletados pela Interpol no âmbito de uma pesquisa realizada entre abril e maio em seus 194 países-membros. No total, 48 países responderam: 42% deles na Europa; 19%, na Ásia; 17%, na África; 12%, na América; e 10%, no Oriente Médio.

Algumas empresas especializadas em segurança também forneceram informações.

“Os cibercriminosos estão desenvolvendo e aumentando seus ataques em um ritmo alarmante, explorando o medo e a incerteza causados pela instável situação econômica e social ligada à COVID-19”, disse o secretário-geral da Interpol, Jürgen Stock, em um comunicado.

“A crescente dependência do mundo da web também cria novas oportunidades (para ataques), uma vez que muitas empresas e indivíduos não se asseguram de que suas (capacidades de) defesa (on-line) estejam atualizadas”, completou Stock.

Muitos tipos de ataques foram identificados.

Quase dois terços dos países que participaram da avaliação relatam golpes, ou complicações para recuperarem dados pessoais, devido a criminosos “que se fazem passar por governos, ou autoridades de saúde”.

A segunda técnica mais relatada é a difusão de “malware” e o pedido de resgate com uma “evolução na escolha das vítimas” para “maximizar danos e ganhos financeiros”.

O número de ataques a organizações de saúde atingiu um pico notável nas duas primeiras semanas de abril.

“Vários grupos (criminosos) que estavam inativos nos últimos meses retornaram à atividade”, explicou a Interpol.

O registro de nomes de domínios usando palavras-chave como “coronavírus”, ou “COVID”, também sofreu um “aumento significativo” e ocupa o terceiro lugar nas técnicas de fraude mais citadas pelos países.

Esses sites ilegítimos atraem os usuários “em busca de material médico, ou de informações sobre o coronavírus”, para, entre outras coisas, recuperar seus dados pessoais.

Os países analisados também apontam para uma circulação em massa de informações falsas.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea