Esportes

Inter faz confronto decisivo contra o Corinthians e rechaça busca pelo empate

Nenhum confronto da 33.ª rodada do Campeonato Brasileiro é mais direto do que o entre Corinthians e Internacional, que estão empatados na tabela de classificação e travam luta por uma vaga na Copa Libertadores do ano que vem neste domingo, às 18 horas em Itaquera. Os gaúchos sabem disso e, por estarem à frente no número de vitórias – 14 a 12 – até poderiam ver o empate como bom resultado. Mas, pelo menos no discurso, não será bem assim.

Ambas as equipes estão com 49 pontos e, com a presença cada vez mais consolidada do atual campeão da Copa do Brasil, o Athletico-PR, entre os seis primeiros, estão cientes de que o sétimo lugar pode ser suficiente nessa busca por uma vaga no torneio continental.

Para o Inter, que terá de enfrentar um longo jejum na capital paulista contra um rival que já é histórico, o duelo deste domingo na zona leste de São Paulo pode ser encarado como se fosse ao lado do Lago Guaiba, se tiver uma mentalidade vencedora em campo.

“Se o Corinthians viesse ao Beira-Rio, como qualquer outra equipe, falaria em vencer. Para nós, não é diferente. Não vejo isso como desrespeito, mas vamos para vencer (em Itaquera), sem dúvida. Temos que ter coragem para jogar, teremos dificuldade em um campo que eles conhecem bem, com estádio lotado, mas é um confronto bem direto, que pode dizer muito do que serão os próximos cinco jogos”, argumenta o volante Rodrigo Lindoso.

Uma dos fatores que apimentam o confronto está no retrospecto recente. Já são dez anos sem vencer o adversário em São Paulo. A última vez foi na estreia do Brasileirão de 2009, no Pacaembu, quando um golaço de Nilmar deu os três pontos aos gaúchos.

“Cria-se um tabu, mas tabu existe é para ser quebrado. Já vi alguns vídeos da última vitória lá que a gente teve e isso acaba motivando, mas essa rivalidade é boa”, retrucou Lindoso.

O único desfalque do técnico Zé Ricardo para a partida seria o atacante Guerrero, convocado pela seleção peruana para amistosos contra a Colômbia e o Chile. Com a desistência dos chilenos, que resolveram seguir os protestos da população em seu país e se recusaram a jogar, Guerrero pôde retornar na manhã deste domingo ao Brasil, a tempo de se colocar à disposição para a partida do Inter. Sua escalação, porém, vai depender da liberação do departamento médico do clube.