Saúde da mulher

Infarto mata oito vezes mais mulheres do que o câncer de mama

Crédito: Unsplash

Uma campanha lançada pela Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista alerta sobre os perigos de doenças do coração em mulheres. O infarto, por exemplo, tem sintomas diferentes nos dois gêneros e, por isso, é importante realizar exames periódicos para evitar surpresas desagradáveis.

Tudo que você precisa saber sobre cada tipo de DIU

Câncer de pele: como se proteger do sol de acordo com seu tipo de pele

Um estudo mostra que nas mulheres os problemas ligados ao coração matam cerca de 16,13% delas, os acidentes vasculares cerebrais, 12,46%, e o câncer de mama, 2,46%.

Ou seja, a incidência de problemas cardíacos mata mais do que o próprio câncer de mama. Em 1960, para cada 9 homens com esses problemas – exceto o câncer de mama -, uma mulher era afetada.


+ Casal posta fotos nus em pontos turísticos e ganha fama na web
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ ‘Raça de víboras’: Andressa Urach critica seguidores que não acreditam em sua fé
+ Mulher morre após ingerir bebida alcoólica e comer 2 ovos



O número cresceu por diversos motivos: estresse, alimentação inadequada, pressão arterial acima do recomendado, maior circunferência abdominal, envelhecimento da população e algo que está presente na vida de muitas mulheres, as variações hormonais e pílulas anticoncepcionais. Esse tipo de contraceptivo favorece a formação de coágulos, principalmente quando a paciente é fumante.

E, diferentemente do que muitos pensam, os sintomas de infarto não são apenas dor no peito que irradia para o braço, formigamento e suor. Falta de ar, arritmia e cansaço extremo são outros sinais que podem indicar um infarto e, por serem menos ligados à doença, confundem os pacientes e até médicos.

Sobre a campanha, que chama “Mulheres também infartam”, Viviana Guzzo Lemke, cardiologista intervencionista da SBHCI (Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista), coordenadora do grupo MINT, (Mulheres Intervencionistas) fala sobre a importância do diagnóstico precoce e de outras doenças que podem favorecer o problema.

“Esse problema é subdiagnosticado, principalmente nos dias de hoje, já que a Covid também pode provocar sintomas atípicos e atraso no início do tratamento por receio e procurar um hospital”, diz. “Também temos o objetivo de ressaltar a importância do diagnóstico precoce, pois no caso do infarto, cada minuto conta”, completa. 

Veja também

+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS