Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

Por Yimou Lee e Norihiko Shirouzu e David Lague

TAICHUNG, Taiwan (Reuters) – Na linha de frente da disputa entre Estados Unidos e China, Taiwan deu um golpe de mestre defensivo, tornando-se indispensável para ambos os lados.

Ao dominar a fabricação dos semicondutores mais avançados, a Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC) conquistou uma tecnologia que é crucial para os dispositivos digitais de ponta e armas, sendo responsável por mais de 90% da produção global desses chips, de acordo com estimativas da indústria.

Ambas os países são atualmente profundamente dependentes da pequena ilha que está no centro de sua rivalidade cada vez mais tensa. Para Washington, permitir que uma China cada vez mais poderosa controle as fábricas da TSMC em um conflito ameaçaria a liderança militar e tecnológica dos Estados Unidos.

No entanto, se Pequim invadir a ilha, não há garantia de que poderá ficar com as fábricas intactas, o que cortaria fornecimento de chips para sua vasta indústria eletrônica. Mesmo se as fábricas de chips de Taiwan sobrevivam a uma eventual tomada de controle pela China, quase certamente seriam excluídas de uma cadeia de suprimentos global essencial para sua produção.

Washington persuadiu a TSMC a abrir uma fábrica nos EUA, que produzirá semicondutores avançados, e está se preparando para investir bilhões na reconstrução de sua indústria doméstica de chips. Pequim também está investindo muito, mas sua indústria de chips está cerca de uma década atrás de Taiwan em muitas áreas importantes.

Em uma entrevista, o ministro da Economia de Taiwan, Wang Mei-hua, disse à Reuters em setembro que a indústria está profundamente interligada com o futuro da ilha.

“Não se trata apenas de nossa segurança econômica”, disse ela. “Esta conectado à nossa segurança nacional também.”

O perigo para Taiwan é que as fábricas da TSMC estejam na linha de fogo. As instalações estão localizadas na estreita planície ao longo da costa oeste de Taiwan, a cerca de 130 quilômetros de distância da China. A maioria fica perto das chamadas praias vermelhas, consideradas pelos estrategistas militares como locais de desembarque prováveis para uma invasão chinesa. A sede da TSMC e o agrupamento de fábricas ao redor em Hsinchu, no noroeste de Taiwan, estão apenas à 12 quilômetros da costa.

Questionado sobre a ameaça às fábricas da ilha, o Ministério da Economia de Taiwan disse que “nos últimos 50 anos, a China nunca desistiu de tentar usar a força para controlar Taiwan, mas seu objetivo não é a indústria de semicondutores”. Taiwan, acrescentou, tem a capacidade de “enfrentar e administrar esse risco”.

A TSMC não respondeu a perguntas específicas sobre a exposição de suas fábricas. Em comunicado, destacou que a indústria de chips é global e conta com design, matérias-primas, equipamentos e outros serviços de diversas regiões e de muitas empresas especializadas. “Portanto, em vez de uma empresa ou região, a colaboração global é vital para o sucesso da indústria de semicondutores”, disse a empresa.

ANSIEDADE AMERICANA

Enquanto a China intensifica sua intimidação militar contra Taiwan, Washington está sinalizando ansiedade sobre a dependência norte-americana pelos chips da ilha.

“A grande preocupação em Washington é a possibilidade de Pequim obter o controle da capacidade de semicondutores de Taiwan”, disse Martijn Rasser, ex-oficial sênior de inteligência e analista da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos.

Muito está em jogo para Pequim também, porque a perda dos chips de Taiwan traria problemas para indústria chinesa, que responde por 60% da demanda mundial de semicondutores, de acordo com um relatório de outubro de 2020 do Serviço de Pesquisa do Congresso. Mais de 90% dos semicondutores usados na China são importados ou fabricados localmente por fornecedores estrangeiros, disse o relatório.

Taiwan é um fornecedor crítico. No primeiro trimestre deste ano, quase metade das exportações de Taiwan para a China, o maior parceiro comercial da ilha, foram de semicondutores – um aumento de 33% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com dados do ministério da Economia da ilha.

A escassez global de chips causada por interrupções no fornecimento em meio à pandemia de Covid-19 está dando uma amostra da devastação que um conflito em Taiwan causaria.

A perda da produção de um único ano de Taiwan interromperia a cadeia de suprimento eletrônico internacional, de acordo com um relatório de abril do Boston Consulting Group e da Semiconductor Industry Association, o lobby da indústria de chips dos EUA.

O setor norte-americanos de semicondutores permanece dominante de várias maneiras, por meio de sua liderança em pesquisa, desenvolvimento e design. É responsável por quase metade das receitas de uma indústria global avaliada em 452 bilhões de dólares este ano. Mas o país terceirizou em grande parte a fabricação de chips avançados, principalmente para Taiwan.

DESAFIO PARA CHINA

Os EUA e seus aliados impuseram por décadas barreiras de tecnologia de chips à China, principalmente com o objetivo de conter o desenvolvimento de armamentos avançados de Pequim. O país mantêm uma lista de tecnologias de chips que precisam de licença para exportação e restringe as vendas externas de tecnologia ao principal fabricante de chips da China, a Semiconductor Manufacturing International Corporation. A SMIC não respondeu às perguntas da Reuters.

Uma ferramenta-chave nessa estratégia de contenção: o Acordo de Wassenaar, um pacto voluntário entre 42 nações para conter a disseminação da tecnologia de “uso duplo”, tanto com aplicações comerciais quanto militares. Sob Wassenaar, Washington e seus aliados harmonizaram os controles sobre o fluxo de tecnologia de chips para a China.

A restrição mais significativa é em equipamentos que usam feixes de luz ultravioleta extrema (EUV), usado na vanguarda da fabricação de semicondutores porque permite que os fabricantes de chips criem microprocessadores e chips de memória mais rápidos e poderosos.

De acordo com Kevin Wolf, um ex-secretário assistente de comércio do governo de Barack Obama, as restrições EUV têm como objetivo bloquear os esforços da China para produzir chips de 5 nanômetros – o que há de mais moderno hoje em dia – ou mesmo semicondutores mais avançados em desenvolvimento.

Uma análise do governo de Joe Biden sobre a vulnerabilidade da cadeia de suprimentos dos EUA mostrou em junho que Pequim estava direcionando 100 bilhões de dólares em subsídios para sua indústria de chips, incluindo o desenvolvimento de 60 novas fábricas.

A China também enfrenta uma lacuna de talentos. O país recrutou engenheiros e técnicos de Taiwan, Coreia do Sul e EUA. Mas esses esforços ainda não proporcionaram grandes avanços. Empresas como a TSMC possuem equipes enormes de especialistas para uma vasta gama de processos. A caça furtiva de especialistas individuais só pode gerar ganhos em nichos do ofício, dizem executivos do setor.

Esses profissionais de elite são o ativo mais importante da indústria de chips de Taiwan, diz o capitão da marinha aposentado Chang Ching, pesquisador da Society for Strategic Studies de Taipé. “Se invadir Taiwan, o exército comunista fará o possível para proteger o pessoal que trabalha no setor de tecnologia”, disse ele.

A TSMC iniciou a produção experimental do que será seu chip mais avançado, usando a chamada tecnologia de 3 nanômetros e lançou uma unidade de pesquisa e desenvolvimento para produzir chips de 2 nanômetros.

Até 2025, as empresas locais e estrangeiras planejam investir mais de 3 trilhões de dólares taiwaneses (108 bilhões de dólares) na indústria de chips de Taiwan, de acordo com Kung Ming-hsin, chefe da agência de planejamento econômico da ilha, o Conselho de Desenvolvimento Nacional.

Depois dessa ostentação em fábricas e equipamentos, Kung disse: “A indústria de semicondutores de Taiwan terá muito poucos concorrentes.”

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEHBQ0JI-BASEIMAGE