Geral

Indígena de 11 anos sofre estupro coletivo e morre após ser atirada de penhasco

Uma indígena Kaiowá de 11 anos sofreu estupro coletivo e morreu após ser jogada de um penhasco na aldeia Bororó, em Dourados (MS). Cinco pessoas foram presas nesta terça-feira (10) e assumiram o envolvimento no crime. As informações foram dadas pela Polícia Civil e publicadas inicialmente pelo portal UOL.

Jovem desaparece após ser vista entrando no carro de ex-namorado


Espero que Bolsonaro reconheça derrota da PEC do voto impresso, diz Lira

Senado aprova projeto que revoga Lei de Segurança Nacional

Entre os 5 suspeitos, dois adolescentes confessaram ter levado a vítima para perto do penhasco. Depois chegaram mais 3 pessoas, inclusive outro adolescente, para participar do estupro. A vítima foi forçada a tomar bebida alcoólica e desmaiou, mas retomou a consciência. No interrogatório, eles contaram que a indígena prometeu denunciá-los, por isso foi assassinada.

“Segundo eles, a todo momento, a vítima gritava e pedia socorro e acabou desmaiando. Durante a barbárie, o tio da vítima chegou ao local e também participou do crime. Quando a vítima começou a recobrar a consciência, voltou a pedir socorro e disse que ia denunciar os autores e, por isso, eles decidiram jogá-la do penhasco, para não serem descobertos”, informou a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul ao UOL.

Os 5 envolvidos serão indiciados pelos crimes de estupro de vulnerável, feminicídio e homicídio qualificado. Os três adolescentes serão indiciados por atos infracionais análogos. Nenhum nome foi divulgado pela polícia. A defesa deles não se manifestou.