Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

Um novo indicador do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) mostra sinais moderados, mas crescentes de estresse nas negociações de bônus corporativo com grau de investimento, refletindo temores de investidores diante da desaceleração econômica. O alerta vem de uma nova medida, chamada Índice de Estresse no Mercado de Bônus Corporativo (CMDI, na sigla em inglês), que a distrital do Fed em Nova York pretende divulgar a cada mês.

A primeira leitura, publicada nesta quarta-feira, mostra maior tensão no mercado de quase US$ 5 trilhões para bônus corporativos com grau de investimento. O índice tem escala de zero a 1 e, quanto mais baixo, mais calmas as condições no mercado.

Em junho, ele ficou em 0,36 para os bônus de alta qualidade, uma alta comparativa em relação a níveis de 0,08 vistos em novembro. Apesar disso, o índice está abaixo dos recordes de crises anteriores, como na crise financeira de 2008.

Os bônus corporativos também têm enfrentado pressões, com investidores exigindo prêmios maiores para comprá-los, em detrimento dos Treasuries.

O prêmio oferecido pelos bônus corporativos mais bem avaliados subiu a 1,51 ponto porcentual, de 0,9 ponto porcentual no início do ano, segundo dados da Bloomberg. Os prêmios sobre a dívida com rating “junk” avançaram ainda mais. O aumento dos spreads no crédito são sinais de que investidores se preocupam mais com a saúde das empresas.

O índice de estresse do Fed NY para dívida com rating junk ficou em 0,22 em junho. No fim do ano passado, ele estava em 0,15. O índice para o mercado em geral ficou em 0,20, um pouco acima do nível de 0,18 de seis meses atrás.