O Dia

Índice de imóveis residenciais vagos no Rio atinge maior patamar em 2019

A taxa de vacância ficou em 14,2%. Uma alta de um ponto percentual em relação ao mês de maio

Rio – A taxa de vacância de imóveis residenciais no Rio voltou a subir no mês de junho e fechou com o maior índice registrado neste ano pelo Relatório de Inteligência Imobiliária da administradora Apsa. Segundo a empresa, em junho o índice ficou em 14,2%. Uma alta de um ponto percentual em relação ao mês de maio. Nos primeiros seis meses deste ano, houve um aumento de 5,2% no número de imóveis residenciais vagos na capital fluminense.
Alguns bairros ajudaram a puxar o índice para cima. No Rio Comprido, por exemplo, o aumento na vacância ficou em 51,8%. No Recreio, a variação entre janeiro e junho foi de 47,31%. Já no Flamengo, o índice de desocupação ficou em 9% no último mês, a maior taxa registrada desde setembro de 2018, segundo dados da Apsa. 
Apesar da elevação no índice geral, alguns bairros tiveram queda significativa na taxa. No Catete, o índice ficou em 6,1%, uma variação de -30,68% em relação a janeiro. Botafogo registrou queda de 25,69% na taxa de imóveis residenciais vagos no mesmo período. Já no Grajaú, a diminuição foi ainda maior: 43,79%, fechando o mês de junho com uma taxa de vacância de 9,5%. 
“Esse aumento ainda está dentro do esperado e do considerado aceitável pelo mercado imobiliário. É uma variação sazonal que costuma acontecer neste período do ano”, avalia Bruno Batista, analista de negócios da Apsa.

Veja também

+ Kawasaki Z900 2021 chega ao Brasil com preço promocional de R$ 45.990
+ Fundador da Ricardo Eletro e filha são presos em operação contra sonegação
+ Violência contra a mulher aumenta em meio à pandemia; denúncias ao 180 sobem 40%
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Conheça os quatro tipos de carros híbridos e suas diferenças
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior