Economia

Indicador Antecedente de Emprego sobe 8,8 pontos em agosto ante julho, diz FGV

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) subiu 8,8 pontos na passagem de julho para agosto, para 74,7 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira. O resultado representa o quarto avanço consecutivo, mas o ganho ainda foi insuficiente para recuperar as perdas acumuladas entre fevereiro e abril. Em médias móveis trimestrais, o IAEmp avançou 10,7 pontos em agosto.

“O resultado de agosto mantém a trajetória positiva do indicador sugerindo que o pior momento do mercado de trabalho parece ter sido no início da pandemia. Apesar da alta, o indicador recupera apenas 2/3 do que foi perdido na crise. Para os próximos meses, a expectativa é de continuidade no cenário de recuperação que pode ser mais lenta diante do alto nível de incerteza e da proximidade do término dos programas do governo”, avaliou Rodolpho Tobler, economista do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) recuou 0,8 ponto em agosto ante julho, para 96,4 pontos. “O resultado de agosto mostra uma ligeira recuperação do ICD, mas ainda é preciso ponderar o elevado patamar e a distância para o período anterior à pandemia, que já não se encontrava no melhor nível”, completou Tobler.

O ICD é um indicador com sinal semelhante ao da taxa de desemprego, ou seja, quanto maior o número, pior o resultado. Já o IAEmp sugere expectativa de geração de vagas adiante, quanto menor o patamar, menos satisfatório o resultado.

O ICD é construído a partir dos dados desagregados, em quatro classes de renda familiar, da pergunta da Sondagem do Consumidor que procura captar a percepção sobre a situação presente do mercado de trabalho. O IAEmp é formado por uma combinação de séries extraídas das Sondagens da Indústria, de Serviços e do Consumidor, todas apuradas pela FGV. O objetivo é antecipar os rumos do mercado de trabalho no País.

No IAEmp, todos os sete componentes avançaram em agosto. O item de Situação Atual de Negócios da Indústria subiu 25 pontos, para 112,6 pontos, retornando a um nível otimista (acima de 100 pontos) pela primeira vez desde março.

No ICD, a maior contribuição para a queda de agosto foi das famílias com renda mensal entre R$ 2,1 mil e R$ 4,8 mil.

Veja também

+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel